Vodafone e outras sete operadoras vão ajudar a União Europeia a ‘seguir’ o vírus

À “Reuters”, uma fonte da União Europeia explicou que a Comissão Europeia irá utilizar dados anónimos para proteger a privacidade dos cidadãos.

As operadoras de telecomunicações europeias estão a auxiliar Bruxelas a lidar com a pandemia que assola a Europa e o mundo. A Vodafone e outras sete empresas do setor concordaram em partilhar com a Comissão Europeia dados de localização dos telemóveis dos seus clientes para rastrear a propagação do novo coronavírus.

Além da ‘telecom’ com presença em Portugal estão envolvidas a Deutsche Telekom, a Orange, a Telefonica, a Telecom Italia, a Telenor, a Telia e a A1 Telekom Austria, que se reuniram no início desta semana com o comissário europeu da Indústria, Thierry Breton, de acordo com a informação divulgada esta quarta-feira pela GSMA.

À agência “Reuters”, uma fonte da União Europeia explicou que a Comissão Europeia irá utilizar dados anónimos para proteger a privacidade dos cidadãos, agregar informação de localização para coordenar as medidas de mapeamento do vírus e, assim que a crise sanitária terminar, eliminará os dados recolhidos das suas bases.

“A Comissão deve definir claramente o conjunto de dados que deseja obter e garantir transparência ao público, para evitar possíveis mal-entendidos”, solicitou a Autoridade Europeia para a Proteção de Dados (AEPD) numa carta enviada ao executivo comunitário, divulgada pela agência noticiosa.

“Também seria preferível limitar o acesso aos dados a especialistas autorizados em epidemiologia espacial, proteção de dados e ciência de dados”, explicou o jurista Wojciech Wiewiorowski, responsável pelo supervisor europeu dos dados (AEPD)

Em Portugal, as principais empresas de telecomunicações – NOS, Vodafone Portugal e Altice Portugal – uniram-se para apresentar ao Governo um plano para minimizar os impactos da pandemia de Covid-19 em no país, cujo objetivo primordial é assegurar as comunicações.

Ler mais
Recomendadas

Efacec vai para lay-off durante 30 dias a partir de 6 de abril

A empresa diz que o lay-off será aplicado “transversalmente a todos os níveis da organização”, tanto na modalidade de suspensão de contrato, como da redução temporária do horário de trabalho.

Serão os jogadores a pagar a crise no futebol português? Amanhã há ‘Jogo Económico

Numa crise sem precedentes, alguns dos clubes mais poderosos do mundo já anunciaram cortes significativos nos salários. Como será em Portugal? Joaquim Evangelista, presidente do Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol, é o convidado do programa ‘Jogo Económico’ que vai para o ar esta sexta-feira.

Parlamento quer ouvir Miguel Frasquilho sobre lay-off da TAP a 14 de abril

Assembleia da República aprovou por unanimidade a proposta do Bloco de Esquerda para ouvir, “com carácter de urgência”, o presidente do Conselho de Administração da TAP sobre a situação atual da empresa e a política laboral e comercial.
Comentários