Volkswagen rejeita mais estímulos para a indústria automóvel

Presidente executivo do grupo Volkswagen rejeita mais estímulos ou apoios dos países à indústria automóvel, depois de ter registado uma recuperação acima do esperado em setembro. Volkswagen exerceu um “forte lobby” na Alemanha para garantir apoios do Estado no início da pandemia, segundo o “Financial Times”.

Depois das vendas do grupo Volkswagen na Europa Ocidental terem disparado 10% em setembro, apesar de o mercado europeu ter encolhido quase 30%, o presidente executivo da Volkswagen, Herbert Diess, considera que a indústria automóvel não necessita de mais apoios à retoma.

“Se não enfrentarmos um segundo confinamento ou uma nova crise económica, diria que não há necessidade de mais incentivos às compras”, afirmou o gestor na assembleia geral anual de acionistas, citado pelo “Financial Times” (FT) esta terça-feira.

De acordo com o jornal britânico, a afirmação de Diess contraria o “forte lobby” que o grupo exerceu na Alemanha para conseguir apoios no início da pandemia.

“Houve muitos incentivos para carros elétricos e híbridos plug-in na Alemanha e em toda a Europa, e funcionou”, admitiu Diess. Mas, agora, perante uma recuperação acima do esperado na Europa Ocidental e na China, o líder do grupo Volkswagen já não quer mais estímulos à indústria automóvel.

O mercado automóvel regrediu quase 30% até setembro, segundo o FT. Mas, no caso da Volkswagen, o grupo germânico conseguiu recuperar terreno em setembro. Na Europa Ocidental as vendas subiram mais de 10% no último mês, concretizando as encomendas de 300.000 unidades. E na China, a Volkswagen cresceram 1% em setembro, em termos homólogos.

Face à recuperação registada em setembro, o líder da Volkswagen prevê que o aumento das vendas ainda vem a tempo de ajudar o grupo a fechar 2020 com lucros. Os resultados do terceiro trimestre da Volkswagen serão revelados no dia 29 de outubro.

A recusa de novos estímulos ao mercado automóvel do CEO da Volkswagen segue a postura do CEO da rival Daimler. Antes de Diess revelar a posição da Volkswagen, já o presidente executivo da germânica Daimler, Ola Kallenius, rejeitou a necessidade de mais estímulos, mesmo perante uma nova escalada nos casos de Covid-19 no Velho Continente.

Isto, porque a Daimler registou um lucro cresceu quase 20%, para um valor próximo dos 2,2 mil milhões de dólares, no terceiro trimestre. Só as vendas da marca Mercedes-Benz na China cresceram mais de 23%.

Ler mais
Recomendadas

AHRESP afirma que Governo “comprometeu-se a anunciar medidas” em função das propostas efetuadas

Do lado do Governo, a associação sublinha que o ministro da Economia “comprometeu-se a anunciar publicamente muito em breve, com a presença dos parceiros sociais, as medidas que o governo vier a decidir em função das propostas apresentadas pelas associações presentes nesta reunião”.

Vendas de automóveis caem 23% em novembro e 35% num ano

Em Novembro de 2020 foram matriculados, pelos representantes legais de marca a operar em Portugal, 14.969 veículos automóveis, ou seja, menos 23,4% do que em igual mês do ano anterior.

5G: Deputados aprovam audição da Anacom e Autoridade da Concorrência sobre regulamento

Segundo confirmou à Lusa o vice-presidente da Comissão, Pedro Coimbra, foi apreciado e votado favoravelmente um requerimento apresentado pelo CDS-PP para audição da Anacom e da AdC “sobre o regulamento do leilão de 5G”. Ainda não está marcada a data.
Comentários