Volodymyr Zelensky: Passa a presidir fora da televisão

Interpretar um presidente na série “Servo do Povo” catapultou o comediante de 41 anos, recém-chegado à política, para a vitória eleitoral esmagadora queo torna o próximo Chefe de Estado da Ucrânia.

“Nunca vos irei desapontar”, prometeu Zelensky na sede de campanha, numa altura em que já sabia a dimensão da vitória e tinha a certeza de que conseguira suplantar Poroshenko em todas as regiões. Um sinal tão mais importante quanto o presidente eleito costuma falar em russo, ao passo que o rival prefere expressar-se em ucraniano, o que é tudo menos um detalhe num país entalado entre o Ocidente e Moscovo.

Mas não se julgue que Vladimir Putin, elevado a inimigo-em-chefe de Kiev devido à ocupação militar da península da Crimeia e ao apoio às autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e de Luhansk, terá um amigo em Zelensky, apesar das promessas de diálogo. “Estou preparado para chegar a um entendimento com o demónio para que mais ninguém morra”, disse durante a campanha, numa comparação capaz de destruir quaisquer pontes com estadistas de sangue menos gélido do que o presidente da Rússia.

Apesar das incertezas quanto ao seu estilo presidencial , Zelensky tem um passado que está longe de indiciar que venha a tornar-se um fantoche de Moscovo. Apoiou os protestos pró-ocidentais da praça Maidan em 2014, que levaram ao afastamento do presidente pró-russo Viktor Ianukovitch, e a sua equipa já deixou claras indicações de que não estará disposto a trocar o reconhecimento da anexação da Crimeia pela paz nas regiões controladas por milícias pró-russas no leste.

Mas para impor a mudança que pretende para a Ucrânia,_Zelensky tem de superar um enorme teste: as legislativas que irão decorrer no outono e nas quais o seu partido, “Servo do Povo”, liderado por Ivan Bakanov, advogado da produtora da série, tem de assegurar uma base parlamentar à prova de impasses. Mais ou menos como a República em_Marcha, de Emmanuel Macron, agora maioritária na Assembleia Nacional francesa, mas com a diferença de que do outro lado da fronteira está a Rússia e não a Alemanha.

Há, no entanto, uma pista para perceber o que vai na cabeça do filho de judeus, casado com a arquiteta convertida em argumentista Olena, mãe dos seus dois filhos. O último dos 51 episódios das três temporadas de “Servo do Povo”, transmitido pelo canal 1+1 no final de março, terminou com a reconciliação de todos os ucranianos, capazes de sacrificarem as suas poupanças para que o país pudesse pagar a dívida externa e assegurar a total independência em relação aos vizinhos do Ocidente e de Leste. Um final feliz para uma sátira cheia de peripécias – a personagem de Zelensky chega a ser deposta e detida por golpistas -, mas em que Vladimir Putin (e a guerra sangrenta) primam pela mais absoluta ausência.

Artigo publicado na edição nº 1986, de 26 de abril, do Jornal Económico

Ler mais
Recomendadas

PremiumJNCQUOI Ásia – Entre especiarias, dragões e descobridores

O novo restaurante e bar celebra a extensão do conceito de lifestyle JNcQUOI numa vertente asiática com inspiração portuguesa, tendo como pano de fundo os Descobrimentos portugueses e a sua influência na gastronomia asiática.

PremiumA vida das cartas e encomendas até chegarem às suas mãos

Em julho deste ano, o correio ainda representava 68% dos rendimentos dos CTT. Cabo Ruivo é um dos principais centros de comando desta unidade de negócio. Por ali passam diariamente mais de dois milhões de objetos, trabalham 580 colaboradores e acolhe 100 veículos que percorrem 13 mil quilómetros.

O mérito não tem género. 15 mulheres líderes

Altamente competentes devido aos sólidos conhecimentos técnicos que possuem, abraçaram vários desafios com êxito ao longo carreira, que as moldaram para hoje serem líderes destacadas em vários setores da sociedade.
Comentários