Voltar atrás nas palavras

Há momentos em que o silêncio é de ouro. O Presidente, o primeiro-ministro e o diretor da TAP deviam aprender com o nosso CR7: fazer mais e falar menos.

Ao contrário do desconfinamento, no qual podemos voltar atrás, as palavras uma vez ditas não podem ser retiradas. Podem ser contrariadas ou até mascaradas atrás de supostos mal-entendidos, mas não podem voltar para de onde vieram.

A zanga entre Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa sobre a possibilidade (ou não) de recuarmos em relação ao alívio das medidas sanitárias foi um episódio desnecessário numa altura crucial na luta contra a pandemia. Dois políticos experientes deviam saber que não precisamos de picardias infantis sobre temas sérios.

O Presidente da República esteve mal, e por duas vezes. Primeiro, ao dizer que já não voltamos atrás no desconfinamento. “Já não voltamos para trás. Não é o problema de saber se pode ser, deve ser, ou não. Não vai haver. Comigo não vai haver”. Não consigo perceber qual foi o racional de dizer isto. Se era uma estratégia para motivar as pessoas a cumprirem as regras sanitárias foi, no mínimo, atabalhoada.

Além de não ajudar, a intervenção irritou o primeiro-ministro, que corrigiu o Chefe do Estado ao dizer que ninguém pode dizer que não podemos recuar.

Marcelo não gostou e disse que um Presidente nunca é desautorizado pelo primeiro-ministro e, pior ainda, salientou quem nomeia quem. O Presidente nomeia o primeiro-ministro, mas não devia esquecer que quem elege os dois somos nós e não temos tempo ou paciência para estar a ouvir uma guerra de palavras inútil que depois vêm classificar de mal-entendido.

Outro caso em que o silêncio podia ter sido de ouro foi o do bizarro vídeo feito na Plaza Mayor de Madrid pelo ‘diretor de pessoas e cultura’ (gostava de saber quem cunhou este cargo) e por um colega a dizerem que estavam em Madrid a recrutar um chefe de carga para Espanha.

A TAP até pode ter necessidade de preencher essa vaga no país vizinho, mesmo quando está a despedir neste, mas, tendo em conta a situação da empresa, é incrível que um executivo sénior filme esse discurso e o vá colocar online.

O ministro das Infraestruturas e Habitação mostrou-se corretamente indignado e esperemos que este tipo de vexame não aconteça na nova administração.

Cristiano Ronaldo, por sua vez, falou com atos e não por palavras. Removeu a Coca-Cola da mesa da conferência de imprensa, num gesto que abriu um debate sobre se os jogadores devem ou não tomar esse tipo de posições contra os sponsors.

A gigante dos refrigerantes irá sobreviver, sem grande dano, claro, mas foi interessante ver Ronaldo a tomar uma atitude tão forte e direta. O capitão da seleção falou com ação também no campo, marcando dois golos na difícil vitória contra a Hungria, num jogo em que bateu dois recordes, o de presenças em fases finais do Euro (5) e a de golos marcados no torneio (11).

O Presidente, o primeiro-ministro e o diretor da TAP deviam aprender com o nosso CR7: fazer mais e falar menos.

Recomendadas

Uma União Europeia a deslizar para a direita

Perante as atitudes de Budapeste e Varsóvia, os líderes europeus avançaram com um novo mecanismo que permite à Comissão Europeia suspender o financiamento de dinheiros do orçamento comunitário a países que não cumpram os preceitos do Estado de direito.

Alargar o acesso ao ensino superior sem reduzir as propinas

Perante os resultados positivos dos programa de bolsas reembolsáveis noutros países, será importante questionar se as políticas públicas em torno do ensino superior em Portugal devem considerar apenas a redução das propinas ou procurar uma via alternativa.

“Não há ditadura sanitária”, pois…

Caros senhores desse protesto que só chamou a atenção, em suma, por causa de um erro tão tonto quanto o próprio protesto, não há, de facto ditadura sanitária. Há, isso sim, uma crise sanitária e outra económica.
Comentários