Volte-face. Hospitais Cuf vão manter acordos com ADSE

O grupo José de Mello Saúde tinha previsto suspensão a partir de 12 de abril. Mas afinal, os beneficiários da ADSE vão poder fazer novamente marcações nas unidades Cuf após esta data e usufruir das atuais condições de acesso.

A José de Mello Saúde (JMS), detentora das unidades Cuf, vai manter os acordos com a ADSE. A notícia foi confirmada esta quarta-feira, 13 de março, através de um comunicado interno da empresa divulgado pelo jornal “Expresso”.

No documento o organismo refere que “decidiu interromper a suspensão da convenção com a ADSE – Instituto Público de Gestão Participada, comunicada no passado dia 11 de fevereiro”. Deste modo, os beneficiários da ADSE vão poder fazer novamente marcações nas unidades Cuf após esta data e usufruir das atuais condições de acesso.

No comunicado assinado pelo presidente, Salvador de Mello, é revelado que “nas últimas semanas, foram iniciadas conversações com a ADSE com vista a superar as dificuldades enumeradas no comunicado interno da JMS de 11 de fevereiro”, e que “apesar das diferenças que ainda separam ambas as entidades, a José de Mello Saúde reconhece o empenho que o conselho diretivo da ADSE e as suas tutelas têm colocado no progresso destas conversações”.

No passado dia 11 de fevereiro, a JMS comunicou aos colaboradores que a partir de 12 de abril a convenção com a ADSE ficaria suspensa, uma intenção que afinal acabou por não se concretizar.

No comunicado, Salvador Mello adiantava a existência de “uma conjugação de fatores que, individualmente, mas sobretudo de forma cumulativa, tornam insustentável a manutenção da convenção sob pena de colocar em causa os padrões de qualidade e segurança” defendidos”.

“Em 2014, a ADSE introduziu a regra das regularizações retroativas com base no preço mínimo praticado por um qualquer prestador. Desde o primeiro momento a JMS opôs-se formal e frontalmente a esta alteração das regras em vigor. Com esta regra a ADSE pretende ter o direito de reduzir retroativamente os preços a que os serviços foram prestados aplicando ‘a posteriori’ o preço mínimo praticado sem considerar a complexidade clínica do doente e a utilização de procedimentos diferenciados com valor clínico comprovado”, indicava o documento.

Em dezembro de 2018, segundo a nota, “a ADSE surpreendeu os operadores desencadeando os procedimentos para as regularizações relativas aos anos de 2015 e 2016. Não estando circunscrita esta medida aos anos de 2015 e 2016 significa que, à data de hoje, a JMS não sabe, nem consegue saber, no momento da prestação dos cuidados, com que preços presta serviços aos beneficiários da ADSE, em todas as linhas de atividade abrangidas pela regra”.

Ler mais
Recomendadas

SNS gasta 2 milhões a enviar para o estrangeiro doentes que Santa Marta podia operar

Hospital de Santa Marta investe em formação para poder operar doentes com hipertensão pulmonar tromboembólica. No entanto, ainda não foi reconhecido como centro de referência, o que obriga o SNS a enviar doentes para o Reino Unido.

Associação Portuguesa de Hospitalização Privada defende “orçamentação plurianual” para a Saúde

O presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar, defendeu hoje que a Saúde deve ter uma “orçamentação plurianual” e que a lei de meios da Saúde deve indicar quais são as fontes de financiamento disponíveis.

Ministra da Saúde diz que Lei de Bases da Saúde está nas mãos dos grupos parlamentares

“O Governo entregou a sua proposta de Lei de Bases à Assembleia da República em dezembro e , neste momento, o trabalho que se faz é um trabalho que envolve os grupos parlamentares”, declarou hoje Marta Temido. Poucos minutos antes, Marcelo Rebelo de Sousa afirmara que este “não é o momento ideal” para discutir a Lei de Bases da Saúde.
Comentários