Volume de negócios da Vista Alegre cai 26% no primeiro semestre

Apesar do recuo no primeiro semestre devido à pandemia da Covid-19, a Vista Alegre registou um aumento de 6% do seu volume de negócio no mês de junho, com o aumento das vendas para França, Holanda e Itália.

A crise económica provocada pela pandemia da Covid-19 provocou um recuo no volume de negócios da Vista Alegre. Apesar desta queda, a companhia portuguesa está mais otimista depois das vendas terem voltado a crescer no mês de junho.

No primeiro semestre, o volume de negócios recuou 26% para os 42,6 milhões face a período homólogo, anunciou a empresa esta segunda-feira.

Apesar da crise económica provocada pela pandemia da Covid-19, a Vista Alegre registou um aumento de 6% do seu volume de negócio no mês de junho face a período homólogo para os 8,7 milhões de euros.

O grupo aponta assim que “são já evidentes os sinais positivos de retoma da atividade”.

“O cenário ainda é de incerteza, face à evolução da crise pandémica que atravessamos mas, mantendo-se uma evolução positiva do cenário macroeconómico e tendo em conta os dois contratos conquistados de 16,2 milhões de euros recentemente informados ao mercado, esperamos um segundo semestre de gradual recuperação das vendas da Vista Alegre”, segundo a companhia sediada em Ílhavo, distrito de Aveiro.

“Apesar das circunstâncias excecionais que Portugal e o mundo atravessam” o resultado de junho representa um “importante sinal da recuperação gradual da sua atividade face ao cenário negativo vivido no pico da pandemia”, disse hoje a empresa em comunicado.

A companhia ponta que os segmentos que “mais contribuíram para esta recuperação foram o Grés Forno e o Grés Mesa, essencialmente com vendas para países como França, Holanda e Itália”.

Já os segmentos da Porcelana, do Cristal e Vidro e da Faiança foram os que sofreram as maiores quebras “devido ao encerramento das lojas durante os meses de março, abril, maio e junho, assim como ao período de férias coletivas que ocorreu entre 23 de março até 10 de abril, antecipando o período tradicional de férias em Agosto, foram os segmentos que mais afetaram a quebra do volume de negócios no segundo trimestre”.

O segmento da Porcelana e complementares foi o mais afetado, tendo sofrido uma queda de 64% para os 9,6 milhões no primeiro semestre.

Ler mais
Relacionadas

Vista Alegre elege Paulo Portas para Mesa da Assembleia-Geral

Os acionistas da Vista Alegre Atlantis aprovaram esta sexta-feira todos os pontos na ordem de trabalhos reunião magna, entre os quais as contas de 2019 e a eleição de Paulo Portas para presidente da Mesa da Assembleia-geral.

Obrigacionistas da Vista Alegre reúnem-se em assembleia em 30 de junho

Os obrigacionistas da Vista Alegre reúnem-se em 30 de junho para deliberar, entre outros assuntos, a aceitação do pagamento aos titulares de obrigações de um montante de 0,03% do valor nominal de cada título, anunciou hoje o grupo.

Vista Alegre assegura dois novos contratos no valor de 16,2 milhões de euros

Os responsáveis da empresa destacam a relevância destes contratos com grandes insígnias mundiais “numa altura de bastantes incertezas no mercado global”.
Recomendadas

PremiumConservas querem substituir 200 milhões de importações

Campanha em curso de promoção do consumo de conservas deverá aumentar vendas em cerca de 5%, revela José Maria Freitas, presidente da ANICP – Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe, em entrevista ao Jornal Económico.

Lucro da petrolífera Saudi Aramco cai 50% no primeiro semestre para 19,7 mil milhões de euros

A petrolífera Saudi Aramco alcançou 23,2 mil milhões de dólares (cerca de 19,7 mil milhões de euros) de lucro no primeiro semestre deste ano, menos 50% do que em igual período do 2019, penalizado pela pandemia de covid-19.

Apenas 2,7% das coimas da Autoridade da Concorrência foram pagas desde 2004

Uma das razões para os atrasos são os múltiplos recursos na Justiça, que contribuem para que só uma pequena parte das coimas seja paga.
Comentários