PremiumWall Street agoniza à espera do acordo EUA-China

Nos dois primeiros meses do ano, a bolsa Nova Iorque recuperou do dezembro traumático e voltou para perto do pico de setembro. A incerteza sobre o acordo comercial entre os Estados Unidos e a China pode, contudo, deitar tudo a perder.

Há oito ruas que cruzam Wall Street, na ilha de Manhattan, mas por quem lá passa não sabe que caminho tomar, pois não há sinais  claros. “Estamos num impasse”, disse Marco Silva, consultor estratégico e de investimento ao Jornal Económico.

Depois dos máximos de setembro, em que o índice S&P 500 subiu para uns históricos 2.930,75 pontos (ainda que o Nasdaq tenha atingido o pico no fim de agosto e Dow só em outubro), os mercados bolsistas iniciaram a trajetória descendente.

Na véspera de Natal do ano passado, o S&P 500 desceu até aos 2.351,10 pontos; o tecnologócio Nasdaq recuou para 6.192,92 pontos; e o industrial Dow Jones afundou para 21.792,20 pontos.

“Tudo começou em outubro quando a Fed deu a noção que ia aumentar os juros três vezes em 2019 e que iria reduzir o seu balanço em piloto-automático”, explicou o consultor. “Deu um rombo valente”, frisou.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumRui Barros: “Estamos a assistir a uma nova tendência: hiperpersonalização”

O responsável da Accenture Technology explica como as novas tecnologias estão a alterar a forma como vivemos e quais as grandes tendências a nível mundial.

PremiumJorge Pavão de Sousa, Eleven Sports: “Todas as operadoras estão em pé de igualdade”

Em entrevista ao JE, o diretor-geral da Eleven Sports Portugal revelou que as decisões iniciais da distribuidora não terão sido as mais acertadas na abordagem ao mercado nacional. Mas desde dia 12 de fevereiro “todas estão em pé de igualdade”. As negociações com as operadoras levaram meses, sendo mesmo necessária a intervenção direta do proprietário da empresa, Andrea Radrizzani.

Premium“A caminho dos 40 é que vou tirar um curso novo?”, diz professora desempregada

Uma professora, após oito anos a contratos, fica sem colocação. Um artista nada recebe pelas exposições que realiza e um estivador nunca sabe se amanhã há o que fazer. Três casos entre 8,9% dos madeirenses.
Comentários