Wall Street continua à espera dos estímulos que tardam em aparecer

Nem a diminuição dos pedidos de novos subsídios de desemprego foi suficiente para fazer aumentar as cotações – com a exceção do Nasdaq. Os estímulos à economia para combater a pandemia continuam ‘encalhados’ entre democratas e republicanos.

Os principais índices norte-americanos caíram durante a sessão desta quinta-feira – com a exceção do índice tecnológico, devido à preocupação com a estagnação do acordo de ajuda económica do governo federal dos Estados Unidos. O Dow Jones Industrial Average caiu 105,46 pontos, ou 0,38%, para 27.871,38 pontos; o S&P 500 perdeu 8,91 pontos, ou 0,26%, para 3.371,44 pontos; e o Nasdaq Composite cresceu 28,28 pontos, ou 0,26%, para 11.040,52 pontos.

Os pedidos de novos subsídio de desemprego caíram para menos de um milhão na semana passada pela primeira vez desde meados de março, mas o fim, no final de julho, de um suplemento de subsídio desemprego semanal 600 dólares provavelmente contribuiu para o declínio. Em resposta, os mercados mobiliários não levaram em atenção os números divulgados, ao contrário do que tem sucedido nos meses mais recentes.

Por outro lado, os dados mostraram que a maior economia do mundo recuperou apenas 9,3 milhões dos 22 milhões de empregos perdidos entre fevereiro e abril, o que quer dizer que o saldo é ainda muito negativo.

“A nossa opinião sobre uma nova alta, se acontecer, é que será mais um lembrete aos investidores de como o mercado de ações e a economia não estão alinhadas este ano. As ações dispararam, mas a economia – melhorou, sim – mas um milhão de pedidos iniciais ainda não é bom”, disse Ryan Detrick, gestor de mercado da LPL Financial em Charlotte, da Carolina do Norte, citado pela agência Reuters.

O crescimento do Nasdac é, segundo os analistas, a prova de que o mercado das tecnológicas continua a ser um grupo de refúgio para os investidores – o que, por outro lado, prova que as empresas tradicionais continuam a merecer pouca confiança da maioria do mercado.

Nos mercados monetários, o dólar norte-americano caiu 0,049% face ao euro. O iene japonês enfraqueceu 0,03% em relação ao dólar, para 106,95 ienes por dólar, enquanto a libra esterlina foi negociada a 1,3049 dólares, em alta de 0,13% no final do dia.

Ler mais

Recomendadas

BCE estuda revisão do programa de compra de ativos de emergência

Dois membros do Conselho de Governadores adiantaram ao Financial Times que o banco central irá debater na próxima reunião a duração do PEPP e se os critérios de flexibilidade deverão ser estendidos aos outros programas de compra de ativos.

Bolsa de Lisboa em queda pressionada pelo BCP e Galp

Do lado dos ganhos, a Corticeira Amorim lidera com uma subida de 1,63% para 11,20 euros, seguidos pela EDP que ganha 0,59% para 4,24 euros.
joão_leão_tomada_posse_1

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Na semana em que será conhecido o défice orçamental do primeiro semestre, o Plano de Recuperação e Resiliência vai também estar em destaque, com audiências do primeiro-ministro aos partidos e ao Conselho Económico e Social sobre o tema, antes do debate no Parlamento. A centrar atenções estarão os dados da execução orçamental de agosto, mas também à votação da constituição da Comissão de Inquérito ao Novo Banco.
Comentários