Wall Street em alta e resiste ao coronavírus

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque iniciaram a sessão desta sexta-feira em alta. Depois de uma semana em que soaram os alarmes por causa do coronavírus na China, os investidores regressam agora menos receosos aos mercados depois da Organização Mundial da Saúde ter considerado ser cedo declarar o estado de emergência mundial.

A trader wears glasses that say “2017” ahead of the new year on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) in Manhattan, New York City, U.S., December 30, 2016. REUTERS/Stephen Yang

Esta sexta-feira, minutos após o toque do sino da abertura da sessão em Nova Iorque, o S&P 500 subia 0,17%, para 3.331,16 pontos; o tecnológico Nasdaq valorizava 0,46%, para 9.445,88 pontos; e o industrial Dow Jones avançava 0,34%, para 29.258,1o pontos.

Nas empresas, a Intel dispara 7,53% para 68,09 dólares depois de ter apresentado resultados acima das estimativas, com o segmento de cloud computing a impulsionar as receitas acima dos 20 mil milhões de dólares pela primeira vez.

A American Express valoriza 4,73% depois também ter apresentado resultados que superaram as estimativas do mercado.

A nível macroeconómico, os investidores esperam pelo PMI da manufatura dos Esyados Unidos relativo ao mês de janeiro e que será divulgado esta sexta-feira, um dia depois da primeira reunião do Conselho dos Governadores do Banco Central Europeu (BCE) deste ano. Christine Lagarde, presidente do BCE, comunicou que o banco central decidiu não alterar as taxas de juro e anunciou o início da revisão estratégica, um processo que deverá ficar concluído até ao final de 2020.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a descer. Em Londres, o barril de Brent, referência para a Europa, negoceia nos 61,03 dólares, depois de perder 1,63%. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate perde 1,94% e está nos 54,51 dólares.

Relacionadas

Wall Street com um dia morno

A perspetiva de que o setor do turismo possa ser afetado com o novo e desconhecido coronavírus não foi uma boa notícia para os mercados. De qualquer modo, os analistas chamam a atenção para que não serie credível que os mercados estivessem indefinidamente a crescer.

PSI 20 acompanha otimismo das congéneres europeias, apesar da queda superior a 4% da NOS

Em Portugal, catorze empresas valorizam, três desvalorizam e uma negoceia sem variação.

Wall Street arranca em baixa com a Travelers a cair mais de 4%

Mais de 12% das empresas do S&P 500 já publicaram os seus resultados trimestrais e a maioria superou as expectativas dos analistas. Epidemia global influencia o sentimento dos investidores.
Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários