Wall Street em alta ligeira à espera de novidades sobre acordo comercial

Nas empresas, os destaques vão para a Ford, que apresentou um SUV Mustang elétrico para concorrer com a Tesla, e para a HP, cujo conselho de administração chumbou por unanimidade a OPA de 33,5 mil milhões de dólares lançada pela Xerox.

Brendan McDermid/Reuters

Wall Street inverteu as perdas com que iniciou a sessão e encerrou com ligeiros ganhos, com sentimentos mistos por parte dos investidores em relação aos últimos desenvolvimentos nas relações entre os Estados Unidos e a China. Foi o suficiente para Wall Street renovar máximos.

Por um lado, o mercado apreciou que a administração de Donald Trump tenha concedido mais duas semanas para as empresas norte-americanas fazerem negócios com a tecnológica chinesa Huawei. Mas, por outro lado, segundo noticiou a CNBC, o mercado ressentiu-se por causa do pessimismo em torno de um acordo comercial entre as duas maiores potências económicas mundiais, uma vez que Donald Trump se mostrou relutante em retirar tarifas à China.

Esta segunda-feira, o S&P 500 manteve-se flat, com um ligeiro ganho de 0,03%, para 3.121,52 pontos. O tecnológico Nasdaq, com uma subida de 0,11%, para 8.549,94 pontos, e o industrial Dow Jones, que ganhou 0,11%, para 28.035,48 pontos, acompanharam a tendência.

Donald Trump e Jerome Powell, presidente da Reserva Federal norte-americana, reuniram esta segunda-feira, com a comunicação social a relatar a falta de conexão entre os dois.

Sobre a conjuntura macroeconómica, diversos analistas e investidores antecipam uma correção do mercado no próximo ano e apontam para alguma cautela. Segundo um relatório da UBS Wealth Management, quase oito em cada dez investidores sentem que o mercado se dirige para um período de maior volatilidade e mais de 50% antecipam uma queda significativa dos mercados em 2020.

Nas empresas, os destaques vão para a Ford, que apresentou um SUV Mustang elétrico para concorrer com a Tesla, e para a HP, cujo conselho de administração chumbou por unanimidade a OPA de 33,5 mil milhões de dólares lançada pela Xerox.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está queda. Em Londres, o barril de Brent perde 1,64%, para 62,26 dólares. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate cai 1,42%, para 56,90 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Wall Street em queda ligeira penalizada pela guerra comercial

Em Pequim perdura um sentimento pessimista porque o presidente dos EUA, Donald Trump, se mantém relutante em adiar as tarifas que entrarão em vigor em dezembro.

Nova semana, novidades velhas em Wall Street

Aliado ao facto de as variações médias diárias serem este mês de apenas 0,5%, pinta bem o cenário de um mercado a ser “embalado” pela mão invisível do dinheiro barato e da liquidez abundante.
Recomendadas

Altri e Navigator impulsionam PSI 20 no fecho da sessão

Praça lisboeta fechou a sessão desta sexta-feira com uma subida de 0,86% para 5.172,86 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias.

Emprego norte-americano dá ânimo a Wall Street

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previsa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

Wall Street sem gás à espera de dados económicos

Um número que a ser alcançado não belisca a ideia bem estabelecida nos analistas de que é a força do mercado de trabalho que está a sustentar o crescimento económico.
Comentários