Wall Street em alta ligeira à espera de novidades sobre acordo comercial

Nas empresas, os destaques vão para a Ford, que apresentou um SUV Mustang elétrico para concorrer com a Tesla, e para a HP, cujo conselho de administração chumbou por unanimidade a OPA de 33,5 mil milhões de dólares lançada pela Xerox.

Brendan McDermid/Reuters

Wall Street inverteu as perdas com que iniciou a sessão e encerrou com ligeiros ganhos, com sentimentos mistos por parte dos investidores em relação aos últimos desenvolvimentos nas relações entre os Estados Unidos e a China. Foi o suficiente para Wall Street renovar máximos.

Por um lado, o mercado apreciou que a administração de Donald Trump tenha concedido mais duas semanas para as empresas norte-americanas fazerem negócios com a tecnológica chinesa Huawei. Mas, por outro lado, segundo noticiou a CNBC, o mercado ressentiu-se por causa do pessimismo em torno de um acordo comercial entre as duas maiores potências económicas mundiais, uma vez que Donald Trump se mostrou relutante em retirar tarifas à China.

Esta segunda-feira, o S&P 500 manteve-se flat, com um ligeiro ganho de 0,03%, para 3.121,52 pontos. O tecnológico Nasdaq, com uma subida de 0,11%, para 8.549,94 pontos, e o industrial Dow Jones, que ganhou 0,11%, para 28.035,48 pontos, acompanharam a tendência.

Donald Trump e Jerome Powell, presidente da Reserva Federal norte-americana, reuniram esta segunda-feira, com a comunicação social a relatar a falta de conexão entre os dois.

Sobre a conjuntura macroeconómica, diversos analistas e investidores antecipam uma correção do mercado no próximo ano e apontam para alguma cautela. Segundo um relatório da UBS Wealth Management, quase oito em cada dez investidores sentem que o mercado se dirige para um período de maior volatilidade e mais de 50% antecipam uma queda significativa dos mercados em 2020.

Nas empresas, os destaques vão para a Ford, que apresentou um SUV Mustang elétrico para concorrer com a Tesla, e para a HP, cujo conselho de administração chumbou por unanimidade a OPA de 33,5 mil milhões de dólares lançada pela Xerox.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está queda. Em Londres, o barril de Brent perde 1,64%, para 62,26 dólares. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate cai 1,42%, para 56,90 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Wall Street em queda ligeira penalizada pela guerra comercial

Em Pequim perdura um sentimento pessimista porque o presidente dos EUA, Donald Trump, se mantém relutante em adiar as tarifas que entrarão em vigor em dezembro.

Nova semana, novidades velhas em Wall Street

Aliado ao facto de as variações médias diárias serem este mês de apenas 0,5%, pinta bem o cenário de um mercado a ser “embalado” pela mão invisível do dinheiro barato e da liquidez abundante.
Recomendadas

Produção industrial dá sinais de recuperação em maio na UE e zona euro, mas ainda regista quedas homólogas abruptas

Após dois meses de forte contração, devido aos efeitos da pandemia da Covid-19, a produção industrial esboça uma recuperação na Unirão Europeia e na zona euro no mês de maio, de acordo com os dados divulgados pelo Eurostat esta terça-feira, 14 de julho.

Bolsa portuguesa acompanha Europa em queda. Setor energético pressiona PSI 20

Na bolsa portuguesa, 13 empresas cotadas desvalorizam e cinco negoceiam em alta.

Nasdaq lidera quedas em Wall Street

As tecnológicas acentuaram as perdas, nomeadamente as FAANG. A Facebook perdeu 2,48%, a Apple cedeu 0,46%, a Amazon tombou 3%, a Netflix afundou 4,23% e a Alphabet, dona da Google, caiu 1,74%. Também a Microsoft teve uma sessão negativa, desvalorizando 3,09%.
Comentários