Wall Street em queda sem novidades sobre a guerra comercial

As duas maiores economias mundiais ainda não chegaram a acordo, mas a possibilidade de um acordo de “primeira fase” ainda está em cima da mesa para este mês. Quanto às tarifas previstas para domingo, os analistas esperam que Donald Trump decida adiá-las e esperam gestos de boa-fé de ambos os lados, mas hoje foi um dia parco em desenvolvimentos.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly after the opening bell in New York, U.S., January 3, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

Wall Street encerrou em baixa na primeira sessão desta semana à medida que se aproximam as próximas tarifas impostas pela administração Trump às exportações chinesas, previstas para entrarem em vigor no domingo, dia 15 de dezembro.

Esta segunda-feira, o S&P 500 perdeu 0,33%, para 3.135,40 pontos; o tecnológico Nasdaq cedeu 0,40%, para 8.621,83 pontos; e o industrial Dow Jones desvalorizou 0,38%, para 27.909,53 pontos.
As duas maiores economias mundiais ainda não chegaram a acordo, mas a possibilidade de um acordo de “primeira fase” ainda está em cima da mesa para este mês. Quanto às tarifas previstas para domingo, os analistas esperam que Donald Trump decida adiá-las e esperam gestos de boa-fé de ambos os lados, mas hoje foi um dia parco em desenvolvimentos.

O início da sessão em Nova Iorque, com ligeiras quedas, foi marcado pelo arrefecimento da economia chinesa porque as exportações contraíram em novembro, pelo quarto mês consecutivo.

O mercado está agora de olhos postos em Jerome Powell, presidente da Reserva Federal norte-americana, que anunciará na quarta-feira a decisão do banco central depois da última reunião do Federal Open Market Committee deste ano, que reúne durante dois dias, a partir de terça-feira. Os analistas não antecipam que Jerome Powell anuncie novos cortes nas taxas de juro.

Nas empresas, os fornecedores da Apple, Qorvo e Skyworks Solutions subiram 2% depois de o Bank of America Merrill Lynch ter revisto em alta os títulos das duas empresas.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a cair. O Brent perde 0,39%, para 64,14 dólares. Nos EUA, o West Texas Intermediate cede 0,39%, para 58,97 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Exportações chinesas pressionam Wall Street

As exportações chinesas caíram em novembro, traduzindo pressões que se abaterem sobre a economia chinesa por causa da guerra comercial com os Estados Unidos. Os investidores centram-se agora no domingo, 15 de dezembro, dia em que a próxima ronda de tarifas impostas pelos EUA às exportações chinesas podem entrar em vigor.
Recomendadas

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.

Sexta sessão em queda. Bolsa de Lisboa penalizada por perdas do BCP e Galp

Num quadro pintado de encarnado, a EDP Renováveis e a Sonae sobressaíram pela positiva, ao subirem ambas cerca 0,20%. Nas restantes praças europeias, igualmente pessimistas, destacam-se as transações de M&A da banca espanhola – desta feita, entre o Unicaja e o Liberbank.

Depois das fortes quedas de quarta-feira, Wall Street abre em baixa

As inscrições no desemprego nos Estados Unidos aumentaram na última semana, sugerindo uma recuperação mais lenta do mercado laboral devido às medidas restritivas para limitar a propagação de covid-19, indicam os números divulgados hoje.
Comentários