Wall Street fecha em alta impulsionada pela Alemanha

Os mercados foram impulsionados pela notícia de que a Alemanha prepara estímulos fiscais para evitar uma recessão económica. Wall Street subiu mais de 1%.

Os principais índices da bolsa dos Estados Unidos fecharam em alta nesta sexta-feira de agosto em linha com o fecho da Europa. Os mercados foram impulsionados pela notícia de que a Alemanha prepara estímulos fiscais para evitar uma recessão económica.

O Dow Jones subiu 1,20% para 25.886 pontos; o S&P 500 ganhou 1,44% para 2.888,68 pontos e o Nasdaq valorizou 1,67% para 7.896 pontos.

Uma aproximação entre EUA e China também ajudou a melhorar o mood dos investidores, após uma semana de más notícias, o presidente Donald Trump admite ligar ao presidente chinês nos próximos dias e antevê um entendimento com a China relativamente rápido.

Em termos empresariais houve uma boa reação às contas da Nvidia (a Nvidia subiu 7,25%) e às receitas mostradas pela Alibaba.  Já a Applied Materials mostra-se castigada pelas fracas projeções de receitas.

A Nvidia, fabricante de placas gráficas reportou resultados de 1,24 dólares/ação no 2.ºtrimestre (EPS ajustado), um valor que superou os 1,14 dólares/ação antecipados pelos analistas. As receitas contraíram 17% em termos homólogos, para 2,58 mil milhões, mas suplantaram os 2,54 mil milhões de dólares aguardados.

A retalhista Walmart mostrou contas positivas e recebeu revisões em alta. Os resultados ajustados de 1,27 dólares/ação no seu 2.ºtrimestre fiscal superaram os 1,22 dólares/ação antecipados pelos analistas. As receitas atingiram os 130,4 mil milhões e superaram os 130,1 mil milhões estimados pelos analistas. As vendas comparáveis da retalhista nos EUA (excluindo combustíveis) cresceram 2,8%, um ritmo superior ao previsto (2,5%).

O resultado operacional contraiu 2,9% (ou 2,4% a câmbio constante), o que até foi melhor que o antecipado em resultado da boa performance do negócio nos EUA, diz o analista do Millennium BCP Investimento.

Também a chinesa Alibaba revelou resultados. As receitas trimestrais superam expectativas e geraram revisões em alta.

As receitas do trimestre do seu 1.ºtrimestre fiscal, terminado a 30 de junho cresceram 42% , mesmo com a pressão exercida pelas tensões comerciais EU/ China . Vendas atingiram os 114,9 mil milhões de yuans (16,7 mil milhões de dólares), impulsionadas pelo crescimento da base de clientes, superando os 111,6 mil milhões de yuans antecipados pelos analistas

Destaque ainda para a General Electric, cujas ações subiram 9,5% depois de o CEO, Larry Culp, ter revelado que comprou cerca de dois milhões de dólares em títulos da empresa.

Hoje foi o dia da divulgação do valor preliminar do índice de confiança medido pela U. Michigan.

A confiança dos consumidores americanos deteriorou-se acentuadamente em agosto, de acordo com a estimativa preliminar da análise conduzida pela Universidade de Michigan, e publicada nesta sexta-feira.

O índice de confiança situou-se em 92,1 pontos, mais de seis pontos abaixo de seu nível anterior e o seu menor nível desde o início do ano.

Os analistas esperavam uma queda muito mais moderada, para 97,7 pontos.

No mercado das commodities, o crude West Texas sobe 0,70% para 54,85 dólares.

Ler mais

Recomendadas

BCP e CTT levam PSI 20 ao ‘vermelho’ no fecho da sessão

Praça lisboeta fechou a sessão desta terça-feira com uma descida de 0,08% para 5.303,81 pontos, seguindo a tendência da maioria das suas congéneres europeias.

Alterações climáticas poderão provocar crise financeira mais grave do que a de 2008

O Banco de Compensações Internacionais (BIS) alertou para a necessidade de os bancos centrais “mais proactivos” em preconizar esforços maiores para mitigar as consequências do aquecimento global e das alterações climáticas. “As catástrofes climáticas são mais sérias do que a maioria das crises financeiras sistémicas: podem ameaçar a  humanidade”, frisou a instituição no livro “Cisne Verde: Bancos Centrais e Estabilidade Financeira na Era das Alterações Climáticas”, do Banco de Compensações Internacionais”, que foi hoje publicado.

“Show me the money”

Chegou a hora de analistas ou investidores “exigirem” resultados que justifiquem as avaliações bem ricas com que os títulos negoceiam.
Comentários