Wall Street prolonga perdas e crude cai mais de 5%

O selloff sentiu-se principalmente nos setores tecnológicos e sinalizou a preocupação com que os investidores encaram as tensões entre os EUA e a China, temendo que poderão contribuir para o arrefecimento da economia mundial.

Reuters

Dia negro nas bolsas norte-americanas e na cotação do petróleo. Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque não inverteram a tendência negativa que já se tinha verificado na véspera, com o sentimento dos investidores a ser penalizado pela subida das tensões entre os Estados Unidos e a China.

Esta quinta-feira, o S&P 500 perdeu 1,19%, para 2.822,24 pontos; o tecnológico Nasdaq caiu 1,52% para 7.307,93 pontos; e o industrial Dow Jones desvalorizou 1,11%, para 25.490,47 pontos.

selloff sentiu-se principalmente nos setores tecnológicos e sinalizou a preocupação com que os investidores encaram as tensões entre os EUA e a China, temendo que poderão contribuir para o arrefecimento da economia mundial.

No epicentro das tensões está a Huawei, a tecnológica chinesa que é uma das maiores empresas em 5G, depois de administração de Donald Trump a ter colocado na ‘lista negra’, impedindo a empresa chinesa de ter relações comerciais com parceiras tecnológicas.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está em ‘queda livre’, depois de os EUA terem divulgado as reservas de petróleo. Na semanada passada, o stock do crude atingiu o valor mais elevado desde 2017, fixado em 4,7 milhões e barris, contrariamente ao esperado pelos analistas.

O barril de Brent está nos 67 96 dólares, depois de perder 4,27% enquanto o West Texas Intermediate, nos Estados Unidos, está nos 58,20 dólares, depois de perder 5,24%.

 

Ler mais

Relacionadas

‘Guerra fria’ tecnológica penaliza Wall Street

As tensões comerciais entre os EUA e a China estão a penalizar o sentimento dos investidores em Nova Iorque. No epicentro da ‘guerra fria’ estão as tecnológicas chinesas Huawei e Hikvision, que poderão ambas integrar a ‘lista-negra’ da administração Trump. Setores tecnológico e de semi-condutores estão fortemente penalizados.
Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha em queda apesar da subida das papeleiras

A pressionar o mercado estiveram, entre outras, as ações do BCP, da NOS e da Jerónimo Martins. Na Europa o verde dominou os mercados ajudados pelos novos inputs sobre a guerra comercial, que sinalizam uma aproximação entre os EUA e a China para fecharem o acordo de “fase um”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Bolsa de Nova Iorque abre em alta. Farfetch dispara 30% após divulgar resultados

A empresa de ‘e-commerce’, liderada pelo português José Neves, viu o seu prejuízo aumentar 10,6% face ao período homólogo, para 86,5 milhões de dólares, mas teve um disparo de 90% nas receitas (255,5 milhões de dólares).
Comentários