Wall Street recupera do coronavírus e volta a fechar com ganhos

Os títulos da Ford Motor subiram 2,29%, para 9,18 dólares, enquanto esperam pela divulgação dos resultados trimestrais, após o fecho do mercado.

A Bolsa de Nova Iorque encerrou a sessão desta terça-feira, dia 4 de fevereiro, em terreno positivo, dando sinais de recuperação do sell-off que marcou as últimas sessões. Os mercados financeiros norte-americanos mantêm-se animados após o estímulo de 156 mil milhões de euros que o banco central chinês deu ontem à economia chinesa.

Os três principais índices norte-americanos encerraram, assim, no ‘verde’ e com subidas superiores a 1 e 2%. O industrial Dow Jones somou 1,44% para os 28.807,63 pontos; o financeiro S&P 500 avançou 2,25%, para os 3.298,11 pontos e o tecnológico Nasdaq subiu 2,10%, para os 9.467,97 pontos. Já o Russel 2000 ficou marcado por uma valorização de 1,57%, para os 1.657,91 pontos.

“Os investidores estão menos pessimistas. Para este sentimento contribuíam as medidas tomadas por Pequim para conter a propagação do coronavírus na província de Hubei e para suportar o crescimento económico (o banco central da China injetou no sistema 242.75 mil milhões de dólares)”, referem os analistas do CaixaBank/BPI Research, numa nota de mercado publicada hoje.

Os títulos da Ford Motor subiram 2,29%, para 9,18 dólares, enquanto esperam pela divulgação dos resultados trimestrais, após o fecho do mercado.

O preço do petróleo esteve ao longo do dia a subir, mas voltou a deslizar ao início desta noite. A cotação do barril de Brent desce 0,44%, para 53,97 dólares, enquanto a cotação do crude WTI recua 0,62%, para 49,60 dólares por barril.

Quanto ao mercado cambial, o euro deprecia 0,12% face ao dólar (1,1045), enquanto a libra “valoriza” 0,30% perante a divisa dos Estados Unidos (1,3032).

A nível macroeconómico, destaque para o facto de as encomendas às fábricas norte-americanas terem aumentado 1,8%, uma percentagem acima do esperado pelo mercado (1,2%) em dezembro de 2019. Já as encomendas de bens duradouros cresceram 2,4% no mesmo período.

“No calendário de hoje temos o presidente Donald Trump, que profere no Senado o último discurso do Estado da União do seu mandato atual [às 2 horas desta madrugada em Lisboa]. É provável que o discurso toque em tópicos económicos e, possivelmente, no processo impeachment de que é alvo, uma vez que as votações de absolvição no Senado estão para breve”, destaca André Neto Pires, analista da XTB.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street abre em alta no dia da tomada de posse de Biden

Resultados da banca acima do esperado e sinal de que Joe Biden vai estimular a economia norte-americana está a animar a bolsa de Nova Iorque.

Goldman Sachs prevê correção nas bolsas mundiais, mas afasta risco de ‘bear market’

Em vez de prever um ‘bear market’, a divisão do Goldman Sachs liderada por Peter Oppenheimer diz numa nota divulgada esta terça-feira que os riscos de uma correção do mercado de ações estão a crescer, mas que os investidores não devem abandonar o barco.

Bolsa de Lisboa segue no ‘verde’, com bolsas europeias a negociarem em terreno misto

Bolsa de Lisboa encontra-se agora a valorizar 0,10% para 5.082,52 pontos, seguindo a tendência da Alemanha e de França.
Comentários