Wall Street volta às perdas após nova queda dos preços do petróleo

A cotação do crude WTI, um dos tipos de petróleo de referência, está a tombar 7,78%, para 24,05 dólares por barril.

A bolsa de Nova Iorque encerrou a sessão desta terça-feira (7 de abril) em terreno negativo, depois das fortes valorizações de ontem se terem mantido ao longo do dia de hoje. No entanto, evaporaram-se pouco antes do final das negociações assim que o preço de petróleo voltou a cair abruptamente.

Entre os três principais índices bolsistas norte-americanos, o Dow Jones desceu 0,12%, para os 22.653,86 pontos, o financeiro S&P 500 perdeu 0,26%, para os 2.656,63 pontos, e o tecnológico Nasdaq recuou 0,33%, para os 7.887,26 pontos. Já o Russel 2000 valorizou 0,45%, para os 1.133,05 pontos.

O preço do petróleo voltou a cair, estando a cotação do crude WTI a tombar 7,78%, para 24,05 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a perder 3,24%, para 31,98 dólares.

A produção de petróleo nos Estados Unidos deverá cair em 500 mil barris por dia este ano, para 11,76 milhões de barris por dia, informou a Energy Information Administration do Departamento de Energia norte-americano na mais recente atualização mensal do mercado petrolífero. A previsão reverte a estimativa apresentada no mês passado, quando se esperava que a produção norte-americana chegasse a 13 milhões de barris por dia, um recorde que teria mantido o país como o principal produtor global desta matéria-prima.

Quanto ao mercado cambial, o euro aprecia 0,98% face ao dólar (1,0897) e a libra esterlina “valoriza” 0,94% perante a divisa dos Estados Unidos (1,2344).

Durante a tarde os investidores estavam otimistas por causa do abrandamento de nos novos casos de Covid-19 nos Estados Unidos. O número de novos casos de coronavírus no país tem estado a diminuir nos últimos dias e hoje o governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, anunciou o maior aumento de mortes em apenas um dia no estado, mas disse que o numero de hospitalizados está a cair.

Ler mais

Recomendadas

Credores privados dizem que cobrar juros é essencial para manter ‘ratings’ 

Em causa está a assunção por parte de algumas agências de ‘rating’, como por exemplo a Moody’s, de que se os credores receberem menos do que o inicialmente contratualizado, isso configura um incumprimento financeiro, independentemente das razões e mesmo com o acordo dos credores.

Dados surpreendentes do emprego deram gás a Wall Street

Na última sessão da semana o Dow Jones disparou 3%, mas o recordista foi o tecnológico Nasdaq. O ‘rally’ deveu-se aos ganhos da banca e das companhias aéreas e de cruzeiros, das mais penalizadas durante o confinamento.

CMVM levanta suspensão da negociação das ações da SAD do FC Porto

A decisão surge depois de a SAD anunciar o adiamento do reembolso do empréstimo obrigacionista para 2021.
Comentários