Whitestar fecha compra de malparado do BCP e eleva gestão de ativos para 9 mil milhões

O BCP fechou a venda de uma carteira de malparado, designada de “Projeto Webb”, ao consórcio Grupo Arrow/CRC – confirmou a Whitestar Asset Solutions, empresa do Grupo Arrow especializada na gestão de carteiras de crédito (NPL) e imobiliário. Este consórcio comprou também a carteira de NPL Carter ao Novo Banco e ainda dois portefólios ao Santander. A compra das carteiras de malparado do BCP, Novo Banco e Santander põem Whitestar a gerir 9 mil milhões em 2020.

O BCP fechou a venda de uma carteira de malparado, designada de “Projeto Webb”, ao consórcio Grupo Arrow/Christofferson, Robb & Company (CRC) confirmou a Whitestar Asset Solutions, empresa do Grupo Arrow especializada na gestão de carteiras de crédito (NPL) e imobiliário. A notícia tinha sido avançada pelo Eco, que relatava que faltava ainda o closing da operação, agora anunciado.

Trata-se de uma carteira mais granular e cujo valor inicial era de 450 milhões de euros, mas que, tal como avançado pelo Jornal Económico, foi ajustado para 270 milhões de euros.

Com esta operação, a que acresce a compra da carteira de NPL (malparado) ao Novo Banco, designada de Carter, anunciada em dezembro, a Whitestar Asset Solutions, passou a gerir mais de 9 mil milhões de euros em ativos.

Recorde-se que o Novo Banco vendeu em dezembro uma carteira de ativos improdutivos com valor contabilístico bruto de 79 milhões de euros por cerca de 37 milhões. O banco liderado por António Ramalho conseguiu, ainda assim, registar um impacto marginalmente positivo nos resultados e no rácio de capital, porque já tinha provisionado parcialmente as perdas esperadas na venda. Tratou-se de uma carteira composta por pequenos créditos secured e unsecured, isto é, inclui contratos de empréstimo com colateral e sem colateral.

A operação “Carter”, ao contrário de outras realizadas nos últimos dois anos, não inclui ativos cobertos pelo Mecanismo de Capitalização Contingente a cargo do Fundo de Resolução.

Ao todo em 2020, a Whitestar ganhou a gestão de quatro carteiras de NPLs (crédito malparado). Depois de ter ganho a gestão de duas carteiras de NPLs vendidas pelo Santander (BST52 e 53), a Whitestar confirma que em dezembro, em dois processos competitivos, o fundo da Arrow Global (acionista único da sociedade liderada em Portugal por João Bugalho) ganhou o concurso para a compra de dois portefólios de ativos improdutivos, em consórcio com a Christofferson, Robb & Company (CRC). O primeiro portefólio, a carteira Webb, originada pelo BCP, tem um total de 270 milhões de euros em dívida, enquanto a Carter, oriunda do Novo Banco, tem 92 milhões de euros em dívida.

“Ao longo do último ano, a Whitestar tinha já ganho a gestão de duas carteiras de NPLs vendidas pelo Santander (BST52 e 53), além de mandatos de gestão para outros bancos nacionais e a integração de portefólios, tanto de NPLs como de REOs, vindos de outros servicers”, detalha a empresa.

“O ano de 2020 foi complexo para todas as empresas devido à pandemia, mas a forma rápida e flexível com que nos conseguimos adaptar, muito devido à plataforma de IT e ao extraordinário compromisso e resiliência das nossas equipas, permitiu-nos ter um ano ainda assim positivo, apesar de todas as adversidades”, explica em comunicado João Bugalho, Managing Director – Operations & Asset Servicing Southern Europe na Arrow Global, e CEO da Whitestar Asset Solutions. “De salientar que trabalhámos de forma eficiente, mantendo a confiança de clientes e parceiros, tendo os nossos colaboradores, cerca de 600, a trabalhar remotamente, a partir de casa, desde Março”, acrescenta o gestor.

“Reflexo do sucesso na gestão de carteiras de crédito, a Whitestar conquistou, também em 2020, um total de seis prémios internacionais: cinco de melhor Servicer em Portugal e um de Top Employer Portugal, atribuído às empresas que são uma referência em termos de condições de trabalho e políticas de Recursos Humanos para os seus colaboradores”, revela a sociedade em comunicado.

João Bugalho acrescenta ainda que “em 2021 queremos continuar a crescer e a melhorar os nossos indicadores de eficiência, suportados por um mercado de NPLs que se deverá apresentar dinâmico e pelo significativo investimento que vamos continuar a fazer na melhoria dos n ossos serviços e da nossa plataforma tecnológica. Igualmente importante, se não mais, é podermos continuar a contar com a confiança dos stakeholders que connosco se relacionam, a começar pelos nossos colaboradores, que foram incansáveis no último ano”.

A Whitestar Asset Solutions é a empresa líder em Portugal na gestão e recuperação de carteiras de crédito, incluindo portfólios performing, subperforming e non-performing, e imobiliário. Em 2015, foi adquirida pelo Grupo Arrow Global (Reino Unido), passando a integrar um dos principais grupos económicos Europeus a operar no mercado de aquisição e gestão de carteiras de crédito.

A empresa fornece o serviço integrado e completo de gestão de ativos para investidores e originadores, incluindo consultoria, gestão imobiliária, titularização e estruturação, business analytics, entre outros.

O mercado de venda de ativos problemáticos continua ativo. O Novo Banco, por exemplo, tem em curso a venda do portefólio “Projeto Wilkinson”, no valor de 200 milhões. O Eco noticiou que a Davidson Kempner, a Atena Equity Partners (em consórcio com a Blantyre) e o Bank of America Merrill Lynch passaram à segunda fase. O mercado espera que a instituição financeira lance uma nova carteira no mercado no início deste ano.

Já o BCP tem ainda por fechar a venda da carteira “Ellis”, tendo sido escolhido como compradora, segundo o Eco, a sociedade gestora Davidson Kempner.  Inicialmente, o “Projeto Ellis” tinha o valor de 300 milhões de euros, mas com a retirada de alguns créditos o valor da carteira reduziu-se para cerca de 170 milhões, avançou também o Eco.

Recomendadas

Relatório final da Comissão de Inquérito ao Novo Banco aprovado com votos contra do PS e abstenção do CDS

O relatório final da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução foi aprovado com os votos contra do PS e com a abstenção do CDS.

Relatório final da CPI ao Novo Banco com votos contra do PS e sem relator que renunciou

O PS vota contra o relatório final da CPI ao Novo Banco devido às conclusões sobre a venda de 2017 que foram introduzidas na votação da especialidade. Mais de 100 propostas de alteração foram aprovadas. Fernando Anastácio renunciou às condições de relator.

Perdas do Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução. Veja a discussão e votação do relatório final da CPI

A Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução procede hoje à discussão e votação do relatório final. Veja em direto.
Comentários