Whitestar fecha compra de malparado do BCP e eleva gestão de ativos para 9 mil milhões

O BCP fechou a venda de uma carteira de malparado, designada de “Projeto Webb”, ao consórcio Grupo Arrow/CRC – confirmou a Whitestar Asset Solutions, empresa do Grupo Arrow especializada na gestão de carteiras de crédito (NPL) e imobiliário. Este consórcio comprou também a carteira de NPL Carter ao Novo Banco e ainda dois portefólios ao Santander. A compra das carteiras de malparado do BCP, Novo Banco e Santander põem Whitestar a gerir 9 mil milhões em 2020.

O BCP fechou a venda de uma carteira de malparado, designada de “Projeto Webb”, ao consórcio Grupo Arrow/Christofferson, Robb & Company (CRC) confirmou a Whitestar Asset Solutions, empresa do Grupo Arrow especializada na gestão de carteiras de crédito (NPL) e imobiliário. A notícia tinha sido avançada pelo Eco, que relatava que faltava ainda o closing da operação, agora anunciado.

Trata-se de uma carteira mais granular e cujo valor inicial era de 450 milhões de euros, mas que, tal como avançado pelo Jornal Económico, foi ajustado para 270 milhões de euros.

Com esta operação, a que acresce a compra da carteira de NPL (malparado) ao Novo Banco, designada de Carter, anunciada em dezembro, a Whitestar Asset Solutions, passou a gerir mais de 9 mil milhões de euros em ativos.

Recorde-se que o Novo Banco vendeu em dezembro uma carteira de ativos improdutivos com valor contabilístico bruto de 79 milhões de euros por cerca de 37 milhões. O banco liderado por António Ramalho conseguiu, ainda assim, registar um impacto marginalmente positivo nos resultados e no rácio de capital, porque já tinha provisionado parcialmente as perdas esperadas na venda. Tratou-se de uma carteira composta por pequenos créditos secured e unsecured, isto é, inclui contratos de empréstimo com colateral e sem colateral.

A operação “Carter”, ao contrário de outras realizadas nos últimos dois anos, não inclui ativos cobertos pelo Mecanismo de Capitalização Contingente a cargo do Fundo de Resolução.

Ao todo em 2020, a Whitestar ganhou a gestão de quatro carteiras de NPLs (crédito malparado). Depois de ter ganho a gestão de duas carteiras de NPLs vendidas pelo Santander (BST52 e 53), a Whitestar confirma que em dezembro, em dois processos competitivos, o fundo da Arrow Global (acionista único da sociedade liderada em Portugal por João Bugalho) ganhou o concurso para a compra de dois portefólios de ativos improdutivos, em consórcio com a Christofferson, Robb & Company (CRC). O primeiro portefólio, a carteira Webb, originada pelo BCP, tem um total de 270 milhões de euros em dívida, enquanto a Carter, oriunda do Novo Banco, tem 92 milhões de euros em dívida.

“Ao longo do último ano, a Whitestar tinha já ganho a gestão de duas carteiras de NPLs vendidas pelo Santander (BST52 e 53), além de mandatos de gestão para outros bancos nacionais e a integração de portefólios, tanto de NPLs como de REOs, vindos de outros servicers”, detalha a empresa.

“O ano de 2020 foi complexo para todas as empresas devido à pandemia, mas a forma rápida e flexível com que nos conseguimos adaptar, muito devido à plataforma de IT e ao extraordinário compromisso e resiliência das nossas equipas, permitiu-nos ter um ano ainda assim positivo, apesar de todas as adversidades”, explica em comunicado João Bugalho, Managing Director – Operations & Asset Servicing Southern Europe na Arrow Global, e CEO da Whitestar Asset Solutions. “De salientar que trabalhámos de forma eficiente, mantendo a confiança de clientes e parceiros, tendo os nossos colaboradores, cerca de 600, a trabalhar remotamente, a partir de casa, desde Março”, acrescenta o gestor.

“Reflexo do sucesso na gestão de carteiras de crédito, a Whitestar conquistou, também em 2020, um total de seis prémios internacionais: cinco de melhor Servicer em Portugal e um de Top Employer Portugal, atribuído às empresas que são uma referência em termos de condições de trabalho e políticas de Recursos Humanos para os seus colaboradores”, revela a sociedade em comunicado.

João Bugalho acrescenta ainda que “em 2021 queremos continuar a crescer e a melhorar os nossos indicadores de eficiência, suportados por um mercado de NPLs que se deverá apresentar dinâmico e pelo significativo investimento que vamos continuar a fazer na melhoria dos n ossos serviços e da nossa plataforma tecnológica. Igualmente importante, se não mais, é podermos continuar a contar com a confiança dos stakeholders que connosco se relacionam, a começar pelos nossos colaboradores, que foram incansáveis no último ano”.

A Whitestar Asset Solutions é a empresa líder em Portugal na gestão e recuperação de carteiras de crédito, incluindo portfólios performing, subperforming e non-performing, e imobiliário. Em 2015, foi adquirida pelo Grupo Arrow Global (Reino Unido), passando a integrar um dos principais grupos económicos Europeus a operar no mercado de aquisição e gestão de carteiras de crédito.

A empresa fornece o serviço integrado e completo de gestão de ativos para investidores e originadores, incluindo consultoria, gestão imobiliária, titularização e estruturação, business analytics, entre outros.

O mercado de venda de ativos problemáticos continua ativo. O Novo Banco, por exemplo, tem em curso a venda do portefólio “Projeto Wilkinson”, no valor de 200 milhões. O Eco noticiou que a Davidson Kempner, a Atena Equity Partners (em consórcio com a Blantyre) e o Bank of America Merrill Lynch passaram à segunda fase. O mercado espera que a instituição financeira lance uma nova carteira no mercado no início deste ano.

Já o BCP tem ainda por fechar a venda da carteira “Ellis”, tendo sido escolhido como compradora, segundo o Eco, a sociedade gestora Davidson Kempner.  Inicialmente, o “Projeto Ellis” tinha o valor de 300 milhões de euros, mas com a retirada de alguns créditos o valor da carteira reduziu-se para cerca de 170 milhões, avançou também o Eco.

Ler mais
Recomendadas

“Em crise os riscos de crédito aumentam e o seguro torna-se mais importante”

Nesta crise, há setores que se veem obrigados a reduzir a sua atividade, “mas há outros em que novas oportunidades de negócio se abrem”, afirma a ‘chairman’ da COSEC, Maria Celeste Hagatong.

CGD faz hoje 145 anos e celebra com concerto online de Abrunhosa

Paulo Moita de Macedo, Presidente Executivo da Caixa, assinala a data com uma mensagem dirigida a todos os clientes onde realça a importância de cada cliente na construção destes 145 anos de história. O CEO da CGD coloca a tónica no futuro do Banco, “um caminho que continuará a ser feito lado a lado com os portugueses”.

Malparado do Novo Banco foi vendido ao melhor preço conclui auditoria da Deloitte

“Nos três processos de alienação analisados verificou-se que foi escolhida a proposta de investidores que apresentava o preço mais elevado”, pode ler-se no documento da auditoria da Deloitte.
Comentários