Wirecard é a primeira empresa da bolsa de Frankfurt a entrar em falência

O banco é o primeiro membro do índice alemão a falir. O ministério público de Munique está a investigar o seu presidente por suspeita de falsificação de contas e manipulação de mercado.

A alemã Wirecard entrou com um pedido de insolvência, depois do escândalo financeiro que pôs a descoberto um buraco de cerca de 2 mil milhões de euros na empresa liderada por Markus Braun, que foi detido esta semana. A Wirecard é a  primeira empresa do índice da bolsa de Frankfurt, o Dax, a falir.

As ações da Wirecard foram suspensas pela bolsa de Frankfurt antes que o pedido de insolvência fosse conhecido. A Wirecard caiu 90% no mercado de ações desde que o auditor da EY se recusou a assinar e a aceitar as contas de 2019 na semana passada, o que levou à demissão do presidente executivo da entidade, Markus Braun.

A Wirecard, num comunicado de dois parágrafos que está a ser citado na imprensa internacional, diz que a sua nova administração decidiu pedir a insolvência num tribunal de Munique “por causa da insolvência iminente e do endividamento excessivo”. O comunicado fala da possibilidade, em avaliação, de o pedido de insolvência se estender às suas subsidiárias.

A falência da Wirecard ocorre apenas dois anos depois de integrar o índice alemão Dax. Com uma capitalização de 28 mil milhões de dólares.

Esta semana também a instituição financeira admitiu que os cerca de 2 mil milhões de euros que tinha registados como ativos, e que a auditora EY tinha dado como desaparecidos, provavelmente nunca existiram.

O ministério público de Munique está a investigar Braun por suspeita de falsificação de contas e manipulação de mercado.

Ler mais
Recomendadas

UBS vai ser julgado na segunda-feira feira por fraude fiscal

O banco é suspeito de ter, entre 2004 e 2012, enviado ilegalmente vendedores França para convencer clientes a abrir contas não declaradas na Suíça.

Novo Banco confirma venda do portefólio de malparado ‘Projecto Wilkinson’

A entidade liderada por António Ramalho confirmou a venda da carteira por 216,3 milhões de euros em ativos ao fundo Davidson Kempner, que desta forma vão provocar um impacto “marginalmente positivo” nas contas.

CEO do Goldman Sachs anuncia investimento de 156 mil milhões de dólares na sustentabilidade

David Solomon, presidente e CEO da Goldman Sachs, anunciou o progresso anual rumo ao compromisso do banco norte-americano em termos de Sustainable Finance Commitment. O banco norte-americano quer que os EUA regressem ao Acordo de Paris.
Comentários