Yupido continua a valer 29 mil milhões de euros

A startup tecnológica enigmática divulgou o relatório e contas de 2018 sem vendas e com o registo de 175 trabalhadores.

A Yupido divulgou as contas do ano passado e mantém um ativo de 28,77 mil milhões de euros – cerca de 14% do Produto Interno Bruto português –, que dizia ter em 2017. No entanto, continua a ter prejuízos, de acordo com o documento consultado pelo “Expresso” através de um relatório de crédito da consultora Informa D&B.

A empresa tecnológica criada em 2015 reportou 175 trabalhadores (133 do sexo masculino e 42 do sexo feminino) e uma queda do dinheiro em caixa e depósitos bancários de 243,3 milhões de euros para 1.400 euros, segundo o mesmo semanário.

Em 2017, o fundador da empresa, Torcato Jorge, contou que a empresa estava a preparar o registo de 42 patentes, contudo, nada foi anunciado posteriormente. No ano seguinte, foi noticiado que o primeiro grande serviço da Yupido iria ser lançado mundialmente, abrindo portas à contratação de 206 pessoas. Nada aconteceu também. Há três semanas, veio a público que o Ministério Público decidiu arquivar a investigação à enigmática Yupido, sem quaisquer arguidos, de acordo com o “Jornal de Notícias”.

A tecnológica descreve nos documentos oficiais que desenvolve uma “plataforma digital inovadora de armazenamento, proteção, distribuição e divulgação de todo o tipo de conteúdo media” e que se “destaca pelos algoritmos que a constituem”. O fundador, Torcato Silva, contou ao Jornal Económico em 2017, que “todos os procedimentos legais, tanto na constituição da empresa como no aumento de capital, foram cumpridos e aceites pelos órgãos competentes”.

A Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto (atual líder do Iniciativa Liberal) ter divulgado na sua conta de Twitter o capital social desta startup tecnológica.

Yupido: Como um jovem comum é o dono disto tudo

Ler mais
Recomendadas

Parlamento ouve hoje presidente do Fundo de Resolução sobre nova injecção no Novo Banco

Luís Máximo dos Santos vai nesta quarta-feira, 26 de fevereiro, à Assembleia da República esclarecer as questões levantadas pelo Bloco de Esquerda relativas a uma “perspetiva de nova e relevante injeção de dinheiro do Estado”. Bloquistas querem ainda saber o acompanhamento que tem sido feito de todos os processos de venda de crédito malparado.

Acusação a Ricardo Salgado está parada devido a questões processuais

O processo em que o Banco de Portugal investiga o papel de Ricardo Salgado na sociedade criada para financiar o “buraco” no Grupo Espírito Santo está “preso” porque ainda não levantado o sigilo profissional de um advogado. Ordem dos Advogados tem palavra decisiva.

Santa Casa assina contrato de 3,7 milhões com fornecedor norte-americano de “raspadinhas”

A IGT Global Solutions já tinha sido escolhida em 2016 para o fornecimento de bilhetes de lotaria instantânea durante três anos, num concurso público no valor de 28,5 milhões de euros.
Comentários