Zona Franca da Madeira regista aumento de 5,5% de empresas em 2020

“A análise pelos três setores de atividade que compõem o CINM revela que a Zona Franca Industrial manteve o número de empresas – 48 – e que tanto os Serviços Internacionais como o Registo Internacional de Navios da Madeira registaram um aumento de sociedades e de embarcações”, segundo a concessionária.

O Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) registou, em 2020, um aumento de 5,5% de empresas em relação ao ano anterior, totalizando 2.434, indicou esta terça-feira a Sociedade de Desenvolvimento da Madeira (SDM), concessionária da Zona Franca.

“A análise pelos três setores de atividade que compõem o CINM revela que a Zona Franca Industrial (ZFI) manteve o número de empresas – 48 – e que tanto os Serviços Internacionais como o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) registaram um aumento de sociedades e de embarcações”, refere em comunicado.

De acordo com a SDM, a subida de empresas registadas nos Serviços Internacionais foi de 4,8% – mais 77 sociedades, para um total de 1.656 -, enquanto no MAR o crescimento atingiu os 7,3% – mais 50 navios registados, para um total de 730.

“O crescimento do CINM em 2020 testemunha uma evolução positiva do número de entidades pelo quinto ano consecutivo, uma dinâmica verificada a partir da aprovação pela Comissão Europeia do IV Regime, que vigora desde julho de 2015”, refere Paulo Prada, presidente da concessionária do CINM, no mesmo comunicado.

O responsável destaca que o crescimento do Centro Internacional de Negócios em 2020 é “particularmente assinalável”, na medida em que o ano ficou “fortemente marcado” pela crise económica global, decorrente das restrições impostas pela pandemia de covid-19.

A SDM manifesta, no entanto, dúvidas quando à “manutenção da linha de crescimento” do CINM, também designado por Zona Franca da Madeira (ZFM), devido à proposta de lei do Governo da República, que determina “alterações significativas” ao regime fiscal em vigor.

“A serem aprovadas na Assembleia da República tal como estão, poderá ditar a saída de empresas já licenciadas e uma redução de novas entradas de empresas do setor de Serviços Internacionais”, adverte.

A proposta do Governo da República prolonga por um ano, até dezembro de 2021, o regime IV da ZFM, enquanto clarifica que as empresas ali licenciadas beneficiam de uma taxa reduzida de IRC de 5% nos lucros gerados na região autónoma e quando haja criação e manutenção de trabalho dependente de pessoas com residência fiscal na Madeira.

“Aprovando-se a proposta de lei nos termos que foi apresentada pelo Governo da República, são esperadas consequências assaz negativas, diretas e indiretas, para a economia da Madeira, quer em termos de receitas fiscais quer ao nível da manutenção e criação de emprego, agravando claramente a estabilidade sócioeconómica da Região Autónoma da Madeira”, sublinha a concessionária.

De acordo com dados da Autoridade Tributária, em 2018, o CINM gerou uma receita fiscal efetiva de 13,3% do total das receitas da Região Autónoma da Madeira – 121 milhões de euros – e 42,8% do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) cobrado no arquipélago foi referente a sociedades da Zona Franca.

Ler mais
Recomendadas

Empresas vão de emitir credencial para trabalhadores se deslocarem

O primeiro-ministro anunciou hoje novas medidas para endurecer o atual confinamento geral. Ao mesmo tempo, as grandes empresas têm 48 horas para comunicar quem são os trabalhadores dispensados de teletrabalho.

Circulação entre concelhos proibida ao fim de semana. Lojas fecham às 20h durante a semana e às 13h ao sábado e domingo

António Costa anunciou hoje as medidas aprovadas pelo Governo para endurecer o atual Estado de Emergência.

Proibida a venda ao postigo de todo o tipo de bebidas nos cafés

O Conselho de Ministros esteve hoje reunido para aprovar novas medidas no âmbito do Estado de Emergência.
Comentários