Daniel Proença Carvalho: branqueamento de capitais é “um dos maiores problemas que o mundo enfrenta”

Advogado abriu conferência promovida pelo novo Observatório Português de Compliance e Regulatório, que conta com o apoio do Jornal Económico.

O advogado Daniel Proença de Carvalho considera que o tema do branqueamento de capitais, que é hoje debatido na primeira conferência promovida pelo novo Observatório Português de Compliance e Regulatório, “convoca a sociedade em geral”.

Na abertura do evento, que conta com o apoio do Jornal Económico, o sócio presidente da Uría Menéndez – Proença de Carvalho frisou que o branqueamento de capitais e o terrorismo são “um dos maiores problemas que o mundo enfrenta”, já que a globalização e a liberdade internacional podem gerar “circuitos livres e a circulação de capitais que levam ao crime”.

O orador avalia a legislação europeia como “exatamente complexa” e alerta para a necessidade de combate ao terrorismo e branqueamento de capitais”. Diz ainda que no que toca a legislacao , existe ” um cuidado extremo, de uma grande exigência de acompanhamento jurídico”. Por isso, considera que as empresas devem dotar-se de ” juristas e advogados numa missão preventiva”.

Relacionadas

Novo regime de repressão do branqueamento de capitais “vai longe demais”

Crítica partiu de Rui Patrício, sócio da Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva, que criticou a nova proposta.
Recomendadas

Covid-19. 50 ventiladores e mais material médico encomandados pela EDP devem chegar esta semana

“Conseguir o material mais crítico nesta luta de todos contra a pandemia foi possível pelo nosso compromisso e pelo apoio decisivo da China Three Gorges e da embaixada portuguesa na China”, disse António Mexia, CEO da EDP, em comunicado.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.

Pais apoiam solução da escola por TV Cabo mas querem mais medidas

“Este pode ser um instrumento que ajuda a minimizar as diferenças e desigualdades entre escolas e famílias, mas não vale o problema de interação entre o professor e o aluno, que precisa de ‘feedback’ para assuntos que não percebeu ou para problemas que resolveu”, disse à Lusa Jorge Ascenção, presidente da Federação Nacional das Associações de Pais (Confap).
Comentários