Fundo britânico compra edifício em Lisboa por 22,3 milhões de euros

Localizado na Avenida Miguel Bombarda, o empreendimento outrora ocupado pelo banco e empresas do grupo Santander, é composto por nove andares acima do solo e cinco subterrâneos, disponibilizando uma área bruta locável de 7.240 m2 e 91 lugares de estacionamento.

DR

O fundo britânico Avignon Capital e York Capital Management comprou por 22,3 milhões um edifício na Avenida Miguel Bombarda, que pertencia ao Banco Santander, numa operação assessorada pela consultora imobiliária Savills.

O empreendimento outrora ocupado pelo banco e empresas do grupo Santander, é composto por nove andares acima do solo e cinco subterrâneos, disponibilizando uma área bruta locável de 7.240 m2 e 91 lugares de estacionamento.

Alberto Henriques, Senior Analyst do Departamento de Capital Markets da Savills Portugal, afirma que “foi com bastante satisfação que concluímos 2019 com a concretização desta transação que assume um impacto substancial no mercado de escritórios da capital”.

Com este negócio o responsável salienta que “Lisboa continua a ter uma procura muito acentuada por parte de ocupantes que pretendem escritórios de qualidade e dimensão num momento de escassa disponibilidade de stock, este facto tem contribuído para que os investidores internacionais mantenham a cidade no seu radar e motivam também novos investidores a entrar no nosso mercado, como foi o caso da Avignon Capital”.

Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários