Ikea passa a ter ponto de recolha na Madeira

Localiza-se na Estrada do Garajau n.º 139 9125-067, no Caniço, em Santa Cruz, e a recolha das encomendas pode ser efetuada todos dias úteis entre as 8h00 e as 12h30 e as 13h30 e 17h30.

Desde a passada terça-feira, o Ikea passou a ter disponível na Madeira um ponto de recolha. Neste local os clientes podem levantar as suas compras online, independentemente do valor de compra ou dimensão da encomenda, por um valor fixo de 49 euros. Coimbra também passou a ter o mesmo serviço.

Segundo Ricardo Pereira, CFO da Ikea Portugal, a retalhista sueca está muito satisfeita “com a abertura destes dois novos pontos de recolha, em Coimbra e na Madeira, zonas onde a marca ainda não tinha presença direta”. “Dentro da nossa estratégia de acessibilidade, queremos apostar cada vez mais nestes novos formatos, em zonas de proximidade, mas, também, em zonas mais distantes das nossas lojas, para que consigamos chegar a um maior número de clientes”, diz.

O objetivo é disponibilizar os artigos de uma forma conveniente e acessível, a um preço de serviço fixo, sendo que este ano a marca quer ainda operar 14 Pontos de Recolha no país, de forma a estar mais próximo da maioria dos portugueses.

O ponto de recolha no arquipélago é na Estrada do Garajau n.º 139 9125-067, no Caniço, em Santa Cruz, e a recolha das encomendas pode ser efetuada todos dias úteis entre as 8h00 e as 12h30 e as 13h30 e 17h30.

Recomendadas

Haitong Bank antecipa pagamento a fornecedores portugueses e oferece viseiras

O banco de investimento decidiu pagar a pronto as faturas aos fornecedores em Portugal e oferecer material de proteção individual à maternidade Alfredo da Costa.

Produção industrial em Itália cai 2,4% em fevereiro

Em termos homólogos, a produção industrial subiu em bens de capital (1,4%) e baixou a de bens de consumo (3%), a de bens intermédios (2,3%) e a de energia (0,6%).

Mais de 10 mil pessoas protegidas pelo seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali

O produto destina-se a empresas que pretendem proteger os trabalhadores, sobretudo as que continuam em atividade nos seus edifícios e o risco de infeção é superior. Lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e garante um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização por esta doença.
Comentários