Madeira: Aliança apresenta queixa na CNE devido a vandalismo

O partido exige ser ressarcido pelo “ato de vandalismo praticado” pelas diferentes Câmaras municipais.

O presidente do Aliança, Pedro Santana Lopes (C), durante a sessão de abertura do 1.º Congresso do Aliança, Évora, 9 de fevereiro de 2019. O partido é liderado por Pedro Santana Lopes que elege neste congresso o senado, o conselho de jurisdição e a comissão de auditoria. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A Aliança apresentou uma queixa na Comissão Nacional de Eleições (CNE) por terem sido arrancados cartazes referentes às eleições legislativas, aquando da visita de Pedro Santana Lopes à Madeira, anunciou o partido.

O partido exigiu ainda ser ressarcido “pelo ato de vandalismo praticado” pelas diferentes Câmaras Municipais da região.

De referir que o cabeça-de-lista às eleições regionais da Madeira, Joaquim Sousa, que se realizam este domingo, já efetuou o seu voto.

O cabeça-de-lista da Aliança mostrou satisfação com a afluência às urnas e mostrou a sua esperança de que este seja “o início de um novo ciclo político de esperança e não a continuidade da situação atual”.

Joaquim Sousa denunciou a presença de Pedro Calado, vice-presidente do Governo Regional, na escola do Liceu,  “andando entre a porta de entrada e as salas de voto”.

De referir que mais de 257 mil eleitores podem votar nas eleições regionais da Madeira deste domingo.

Nestas eleições concorrem 16 partidos e uma coligação, que disputam os 47 lugares no parlamento regional.

Ler mais
Recomendadas

Albuquerque diz que seria incompreensível se Assembleia da República não aprovasse propostas da Madeira para fazer face à pandemia

Em causa está o adiamento de duas prestações referentes do empréstimo concedido pelo Governo Nacional à Madeira, e ainda uma autorização para que a Madeira faça uma operação de endividamento no valor de 300 milhões de euros.

EISAP critica “ataque pirata” de Ana Gomes ao Registo Internacional de Navios

A European International Shipowners Association of Portugal considerou que as afirmações “absolutamente levianas e cheias de generalidades” de Ana Gomes sobre o MAR e a frota de quase 600 navios que navegam pelo Mundo arvorando a bandeira Portuguesa “não são próprias de uma ex-diplomata e ex-eurodeputada que tinha a obrigação de conhecer em maior profundidade as matérias que regulam esta atividade antes de se pronunciar sobre as mesmas”.

Madeira e Canárias defendem que controlo sanitário deve ser sempre feito na origem das viagens

Os governos da Madeira e de Canárias querem afirmar esta posição internacionalmente, e “continuar a fazer ver junto da União Europeia que as Regiões Ultraperiféricas têm especificidades próprias que justificam esta defesa”, e alertaram para a necessidade de reforço dos fundos europeus para fazer face aos constrangimentos provocados pelo coronavírus.
Comentários