Pais com filhos até ao quarto ano de escolaridade vão poder trocar teletrabalho por apoio

Os pais com filhos até ao quarto ano vão ter acesso ao apoio criado devido ao encerramento das escolas, mesmo que estejam em regime de teletrabalho, e poderá chegar a 100% em alguns casos, revela o “Negócios”.

João Relvas/Lusa

Os pais com filhos até ao 4º ano de escolaridade vão poder trocar o teletrabalho por um apoio para tomar conta dos seus filhos devido ao encerramento das escolas e aulas online.

A proposta do Governo vai ser hoje levada à reunião da concertação social onde irá ser apresentada aos parceiros sociais, revela esta quarta-feira o “Jornal de Negócios”.

A proposta também vai abranger as crianças nas creches e ensino pré-escolar, dependentes com deficiência e incapacidade igual ou superior a 60%, assim como as famílias monoparentais.

Os pais que cuidem dos filhos de forma alternada vão ter direito a receber o salário a 100%.

A medida atual deixa de fora os pais que estejam em regime de teletrabalho e que o apoio não é concedido se um deles estiver a trabalhar a partir de casa.

O apoio atual consiste em 66% do salário base, num mínimo de 665 euros e um máximo de 1995 euros.

Ler mais

Recomendadas

Itália: Draghi assenta Plano de Recuperação em cinco pilares distintos

Com um texto de mais de 300 páginas, o governo italiano apresentou um esboço do que poderá ser o plano de recuperação do país. O plano definitivo só será conhecido a 30 de abril.

Subida do salário mínimo? “É prematuro assumir qualquer valor como definitivo”, diz Governo

A resposta surge depois de ser noticiado um eventual aumento de 40 euros. “A definição anual da atualização do SMN segue os procedimentos habituais, sendo objeto de discussão em sede de concertação social e com as estruturas sindicais”, explicam os ministérios das Finanças, Trabalho e Administração Pública.

PremiumJoão César das Neves: “Temos de pôr dinheiro no bolso das pessoas”

O economista César das Neves diz que o Plano de Recuperação é o “do costume”, dedicado a construção e burocracia, que se irá traduzir num “crescimento medíocre”. Defende a extensão das moratórias e alerta para o desafio da solvabilidade das empresas.
Comentários