Premium100 anos do PCP: A vida de um partido que se cruza com a história do país

Da afirmação do comunismo à clandestinidade imposta pelo Estado Novo, passando pelo entusiasmo do 25 de Abril e pelo choque do fim da União Soviética, foram vários os momentos em que o PCP marcou a história política e social do país e do mundo.

A 6 de março de 1921, reunidos na sede da Associação dos Empregados de Escritório, em Lisboa, vários militantes do sindicalismo revolucionário e do anarco-sindicalismo elegem a direção do Partido Comunista Português (PCP), depois de várias reuniões iniciais. Dava-se assim o pontapé de saída para a formação do partido mais antigo em Portugal e um novo impulso à consciencialização política dos trabalhadores. Produto do ambiente de radicalização no pós-Primeira Guerra Mundial, o PCP afirmou-se como o partido do proletariado contra a “exploração capitalista” e deu eco à ortodoxia marxista-leninista, que nunca abandonou. A completar 100 anos de existência, é o mais resistente partido comunista da Europa, com marca indelével na história recente do país.

Formado quatro anos após a revolução russa ter derrubado a monarquia e instituído um novo regime com o partido bolchevique de Lenine, o PCP assumia “a transformação radical da sociedade capitalista em sociedade comunista” como “objetivo supremo”. Um século depois, o objetivo mantém-se.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumLuís Aguiar-Conraria: “Faz-me impressão que nem se considere baixar impostos” como combate à crise

Ao compilar mais de 15 anos de crónicas sobre a vida económica e política de um país, o resultado será, invariavelmente, um retrato aproximado da última década e meia da atualidade nacional.

PremiumRelógios: Tentações fortes para 2021

A pandemia chegou, sem aviso prévio, e provou que não há certezas, mesmo no mundo das horas certas. A indústria suíça confronta-se assim com vários dilemas, sendo este um dos maiores: há necessidade de feiras, num mundo cada vez mais digital?

PremiumLuís Aguiar-Conraria: “Se pensássemos mais racionalmente, talvez todos ganhássemos com isso”

Depois de “Crise e Castigo”, o economista e professor na Universidade do Minho Luís Aguiar-Conraria lança um novo livro, desta feita uma coletânea de crónicas e textos escritos ao longo dos últimos 16 anos. O JE falou com o autor sobre a obra e a atualidade nacional, que foi servindo de inspiração semanal ao longo destes anos.
Comentários