100 jovens distinguidos com prémio Infante D. Henrique

O prémio visa dar relevo à importância do desenvolvimento de competências como a persistência, compromisso, responsabilidade e o desenvolvimento pessoal e social dos participantes neste programa.

100 jovens vão ser distinguidos com o prémio Infante D. Henrique, nas categorias de ouro, prata e bronze. Este prémio é a versão portuguesa do ‘The Duke of Edingurgh’s International Award’ que visa o desenvolvimento pessoal e social de actividades voluntárias e não competitivas.

Entre os distinguidos estão jovens da escolas da APEL, Câmara Municipal do Funchal, Criamar, Colégio Infante D. Henrique, Escola Secundária Francisco Franco e Escola Superior de Enfermagem.

O objectivo deste galardão passar por dar relevo à importância do desenvolvimento de competências como a “persistência, compromisso, iniciativa, responsabilidade e desenvolvimento pessoal e social” características que são trabalhadas durante a execução do programa referente ao Prémio Infante D. Henrique.

“Para um jovem estar bem preparado para a vida, não basta dar-lhe uma ótima educação académica. É essencial dar-lhe as capacidades, comportamentos e atitudes de que precisam para serem adultos de sucesso, e a única forma de isso ser feito é prolongar a aprendizagem para além da sala de aula e dentro da comunidade”, sublinhou John May, secretário geral do The Duke of Edinburgh’s International Award Foundation, durante a edição passada do prémio Infante D. Henrique, que se realizou na Madeira.

Na entrega das distinções, que se realiza nos Paços do Concelho, da Câmara Municipal do Funchal, vai estar presente Dom Duarte, Duque de Bragança.

Recomendadas

Coronavírus: saiba quais são as atividades essenciais na Madeira

Entre as atividades consideradas essenciais estão: atividades de distribuição de energia elétrica e de produtos petrolíferos; serviços de produção e distribuição de água.

Coronavírus: Madeira chega aos 40 casos positivos

Já foram identificados 214 casos suspeitos. Existem 792 pessoas em vigilância ativa.

Madeira recua na decisão de encerramento dos estabelecimentos de venda de jornais e revistas

Fica proibida a permanência de clientes no interior destes estabelecimentos, devendo os produtos ser colocados à disposição do público à porta ou ao postigo, evitando aglomerados de pessoas, devendo, designadamente ser controladas as distâncias de segurança, de pelo menos dois metros, a fim de evitar possíveis contágios.
Comentários