100 mil euros em investimento direto. Liga Portuguesa de Surf considerada a melhor da Europa

Critérios de análise tiveram por base fatores como o número de etapas, participação, calendarização, prémios atribuídos, estrutura, profissionalismo, e divulgação, através da comparação com os circuitos nacionais de surf dos países mais relevantes na modalidade na Europa.

Carlos Pinto/Red Bull Content

A Liga Portuguesa de Surf é a “melhor e mais profissional liga do continente europeu” e do ponto de vista económico, a competição nacional de surf destaca-se das restantes pelo elevado número de patrocinadores, de acordo com análise que comparou as principais competições de surf na Europa, da autoria da ‘Remarkable Communication & Image Management’ (RCIM).

“A Liga MEO surf é sem dúvida uma plataforma de competição de excelência e prestígio, com a atribuição do título nacional e o convite regular para o campeão participar na etapa do mundial, que decorre atualmente em Peniche”, sublinha Diogo André, CEO da RCIM, em comunicado.

Os critérios de análise tiveram por base fatores como o número de etapas, participação, calendarização, prémios atribuídos, estrutura, profissionalismo, e divulgação, através da comparação com os circuitos nacionais de surf dos países mais relevantes na modalidade na Europa.

Entre os países europeus relevantes no panorama do surf mundial (Portugal, Espanha, França e Reino Unido), a Liga Portuguesa é a mais longa, composta por cinco etapas, enquanto que em Espanha são quatro e apenas três no Reino Unido. Em termos de tempo efetivo de competição, o título português é disputado ao longo de 15 dias (cinco etapas de três dias) comparativamente às dez dos vizinhos espanhóis.

Do ponto de vista económico, a Liga Portuguesa de Surf destaca-se dos seus pares europeus. Ao longo das cinco etapas, a Liga Portuguesa distribui mais de 100 mil euros em investimento direto aos surfistas participantes por via de prémios, comparando com os 30 mil euros distribuídos em Espanha. Em França, o campeonato é amador, e no Reino Unido, o UK Pro Tour não divulga o seu valor monetário.

Na Europa, apenas a Liga portuguesa de surf tem transmissão televisiva o que, segundo a RCIM, “estabelece uma forte exposição mediática para a liga e para os surfistas nacionais”.

Ler mais
Relacionadas

MDS lança seguro único para mais de 100 modalidades desportivas

Solução criada pela empresa em parceria com a Tranquilidade e a Confederação do Desporto de Portugal (CDP) permite aos praticantes de atividades físicas um largo espetro de proteção.

PremiumEmpresas criam ‘cluster’ do surf

Turismo de Portugal apoia iniciativa, que vai ser debatida este fim de semana na conferência ‘Surf Out Portugal’. Portugal tem cada vaz mais visibilidade internacional neste segmento turístico e quer atrair os 35 milhões de surfistas, mais os acompanhantes.

“Surf em Portugal precisa de pensamento estratégico. Trabalho pode ir até aos 15 anos”

Houve uma procura muito rápida relativamente ao surf em Portugal e a oferta não se conseguiu ajustar à procura. Na última edição do Jogo Económico, Luís Miguel Henrique considerou que o surf precisa um pensamento estratégico e que esse trabalho pode ser longo para dar resultados.

Assista ao ‘Jogo Económico’: Portugal precisa de um cluster do surf?

Portugal precisa de um cluster do surf? Patrick e Salvador Stilwell, fundadores do Surf Out Portugal, que se realiza este fim-de-semana no Estoril, vêm ao Jogo Económico explicar como este evento pode ajudar a aglomerar a indústria.

Empresários do surf em Portugal procuram fontes de financiamento

No ‘workshop’, que surge como um ‘warm up’ da Surf Out Portugal, evento que decorre a 21 e 22 de setembro, a Raize vai mostrar como podem as empresas captar investimento, quais as possibilidades e desafios.
Recomendadas

Futebol: campeonatos nacionais não profissionais concluídos antecipadamente pela FPF

A FPF dá por concluídas as provas desta época, sem atribuir vencedores a estas competições nem se fazendo sentir o regime de subidas e descidas.

“Nunca o modelo americanizado esteve tão próximo”, considera juiz do TAD

Que modelos competitivos vamos ter no contexto do desporto europeu após a pandemia de Covid-19. Jerry Silva, juiz do Tribunal Arbitral do Desporto, considera que está aberto o caminho para a realização de competições fechadas como a SuperLiga europeia.

“Vamos precisar de um Plano Marshall para o futebol”

Luís Miguel Henrique referiu na última edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma JE TV, que um corte como aconteceu no FC Barcelona, por exemplo, dificilmente poderia ser replicado num clube da Liga portuguesa. “É difícil que o problema se resolva à escala de cada país, FIFA e UEFA têm meios para ajudar os clubes”, realçou.
Comentários