139 países poderiam funcionar a renováveis daqui a 40 anos

Um futuro 100% renovável assente em energia eólica, hidráulica e solar é possível, conclui um estudo elaborado por uma equipa de 27 investigadores alemães, dinamarqueses e norte-americanos, liderada por Mark Z. Jacobson, da Universidade de Stanford, noticia a revista “Joule”. Este grupo de 139 países, que inclui os Estados Unidos e a China, em conjunto […]

Fabian Bimmer/Reuters

Um futuro 100% renovável assente em energia eólica, hidráulica e solar é possível, conclui um estudo elaborado por uma equipa de 27 investigadores alemães, dinamarqueses e norte-americanos, liderada por Mark Z. Jacobson, da Universidade de Stanford, noticia a revista “Joule”.

Este grupo de 139 países, que inclui os Estados Unidos e a China, em conjunto é responsável por 99% das emissões de dióxido de carbono (CO2) no mundo.

Segundo os investigadores, estes países têm capacidade para garantir 80% da sua produção elétrica de fontes renováveis já em 2030.

A concretização da adesão em massa ao novo paradigma energético, teria como resultado a criação a longo prazo de 24 milhões de empregos, uma diminuição anual de entre quatro e sete milhões de mortes por contaminação atmosférica, a estabilização dos preços da energia e uma poupança de 20 mil milhões de dólares por ano de custos associados à saúde e ao clima, contabilizam os cientistas.

 

Recomendadas

Matos Fernandes: “Grande aposta na energia elétrica em Portugal é no solar”

Na conferência foi referido que em 2030 a meta de contribuição da totalidade das fontes de energia renováveis é de 37% na Europa, enquanto para Portugal o objetivo é alcançar 47%.

Prepare a carteira. Vem aí mais um aumento nos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior no diesel, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Arábia Saudita vai desenvolver energia solar e carbono negro

O objetivo deste projeto passa pelo desenvolvimento de energia solar e carbono negro em parceria com a China e a Coreia do Sul. Construção está avaliada em 1,7 mil milhões de euros.
Comentários