18 cidades por 40 euros. Novos passes da Grande Lisboa entram amanhã em vigor

Os habitantes dos 18 municípios da Grande Lisboa vão poder deslocar-se mensalmente na área metropolitana da capital por um valor máximo de 40 euros, a partir de 1 de abril. Os novos passes low cost estão à venda desde 26 de março.

Rafael Marchante/Reuters

Os novos passes da área metropolitana de Lisboa vão entrar em vigor esta segunda-feira, 1 de abril. Os habitantes dos 18 municípios da Grande Lisboa vão poder deslocar-se mensalmente por um valor máximo de 40 euros.

Eis um exemplo das poupanças: um passe da Fertagus entre Setúbal e Lisboa, incluindo Metro e Carris, custa 1933,8 euros por ano (161,15 euros por mês). Com o novo passe, o valor a pagar cai para os 40 euros mensais (480 euros por ano), menos 121,15 euros. No espaço de um ano, as poupanças atingem os 1.453 euros, com o teto máximo de 40 euros por mês.

Para quem se desloca entre Lisboa e Alcainça (na região de Mafra), o passe mensal (Mafrense mais metro de Lisboa e Carris) custa 138,50 euros (1.662 euros por ano). Com o novo passe de 40 euros por mês, as poupanças anuais atingem os 1.182 euros por ano.

Estes são os novos passes:

  • Navegante metropolitano – Custa 40 euros e tem uma validade mensal, isto é, começa no dia 1 e termina no último dia do mês. Quem usar este passe pode viajar de Setúbal até Mafra, por exemplo, sem qualquer tipo de limitação.
  • Navegante 12 – Esta é a versão júnior, e sem custos, do Navegante Metropolitano, permitindo que as crianças até 12 anos, inclusive, utilizem gratuitamente todos os serviços de transporte público de Lisboa, nos 18 municípios da área metropolitana de Lisboa.
  • Navegante Metropolitano Lisboa (só disponível a partir de julho) – Este passe vai permitir que um agregado familiar, independentemente do número de elementos, pague um máximo de 80 euros por todos os passes da família, o equivalente ao valor máximo de dois passes Navegante Metropolitano. Este título só pode ser adquirido por agregados familiares que comprovem que vivem na área metropolitana de Lisboa.
  • Navegante Municipal – Este passe custa 30 euros e dura do dia 1 ao final de cada mês. Vai ser válido para qualquer deslocação em todos os serviços de transporte público dentro de 1 dos 18 municípios da área metropolitana de Lisboa.
  • Navegante Municipal Família (disponível a partir de julho) – Semelhante ao Navegante Municipal, mas vai servir para os membros do agregado familiar se deslocarem num determinado município. Vai ter um custo máximo de 60 euros, o valor máximo de dois passes Navegante Municipal, independentemente do número de elementos do agregado.
Relacionadas

Governo não preparou eventual aumento da procura de transportes

Fernando Nunes da Silva lamentou que o Governo não tenha começado a fazer encomendas de material na sequência da redução do tarifário dos passes. O ex-vereador da Câmara de Lisboa lembra que o material não se “compra em supermercados”.

Habitantes da região Oeste também querem passes a 40 euros

Os subscritores recordam que, dentro do distrito de Lisboa, um residente de Arruda dos Vinhos, a 35 quilómetros e 40 minutos da capital, paga 138,50 euros por um passe mensal combinado para Lisboa.
Recomendadas

Nazaré da Costa Cabral: “Crise pode ter apressado a sinalização das chamadas empresas ‘zombie'”

Em entrevista ao JE, a presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, alerta para a necessidade de refletir sobre o impacto que a crise trouxe para o tecido empresarial português e para os padrões de consumo.

Diretor da Salesforce em Portugal: “Se as empresas investirem no digital sem pensar no médio e longo prazo a experiência do utilizador é má”

Estudo da tecnológica norte-americana conclui que a grande maioria (89%) dos clientes considera que a maneira como uma empresa age durante uma crise demonstra a confiança que é possível ter nela. “Os nossos planos investimento são pessoas, geração de emprego, que é sempre muito importante para a nossa economia”, diz Fernando Braz ao Jornal Económico.

Rede internacional de cabeleireiros critica promoção de “prestação de serviços de beleza ao domicílio”

A Jean Louis David, impedida de trabalhar devido às proibições decretadas pelo Governo durante o confinamento geral, “não considera aceitável que esta situação possa existir”, referindo-se à publicação do estudo que aborda o aumento da procura por estes serviços fornecidos em domiciliário.
Comentários