3 mil alunos do secundário formam Tabela Periódica humana

A iniciativa em que cada estudante representa um elemento químico da Tabela Periódica envolve escolas secundárias de norte a sul do país.

Mais de 3.000 alunos de várias escolas secundárias juntam-se esta terça-feira, 29 de janeiro, em locais emblemáticos das suas cidades formando uma Tabela Periódica humana.

A iniciativa em que cada estudante representa um elemento químico da Tabela Periódica marca o início do Ano Internacional da Tabela Periódica, decretado pelas nações Unidas e aos 150 anos da primeira tabela periódica, proposta pelo russo Dmitri Ivanovich Mendeleev (1834-1907).

Foi em 1869 que aquele cientista publicou no jornal da Sociedade Russa de Química, com um resumo republicado em alemão na “Zeitschrift für Chemie”, um estudo sobre a classificação sistemática de todos os elementos químicos então conhecidos (63).

“A Tabela Periódica representa o caráter central da química nas suas interfaces com as restantes áreas do conhecimento e das tecnologias”, explica a Universidade do Minho, copromotora da iniciativa através da sua Escola de Ciências. Em Braga, onde a outra copromotora é a Delegação da Sociedade Portuguesa de Química, 133 alunos das escolas Sá de Miranda e Alberto Sampaio dão corpo à Tabela Periódica no Largo Pópulo, pelas 10h00.

Almada, Aveiro, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Covilhã, Évora, Faro, Funchal, Lisboa, Porto, Tomar e Vila Real são outras cidades que se associam à iniciativa.

“Este ano internacional é uma oportunidade para mostrar o papel da química na resolução dos grandes problemas da humanidade, numa ótica de desenvolvimento sustentável, nas áreas do ambiente, energia, alimentação ou saúde. As celebrações pretendem também consciencializar a sociedade para esta ciência enquanto promotora do desenvolvimento e bem-estar e motivar as novas gerações para carreiras nas áreas das ciências e tecnologias”, refere ainda a Escola de Ciências da UMinho.

 

Ler mais
Recomendadas

Reitora da Universidade de Évora: “É verdadeiramente importante descentralizar”

“A região de Évora é demograficamente débil, continua a perder população também pelo progresso. Por isso, é necessário repensar o ordenamento”, argumentou Ana Costa Freitas, durante a conferência “Inovação como instrumento de mudança no mercado de trabalho”.

Portugal cai seis posições no ranking mundial de talento

A sexta edição do IMD World Talent Ranking, que avalia o desempenho dos países nas categorias investimento e desenvolvimento, atratividade e preparação, posicionou Portugal em 23.º lugar, descendo assim seis posições face ao ano anterior.

Condução autónoma dá prémio internacional de inovação a investigadora da UMinho

Inês Rito Lima venceu a3ª edição dos Altice International Innovation Awards (AIIA), na categoria Academia. “É uma grande realização pessoal”, afirmou a investigadora.
Comentários