33 startups portuguesas angariaram mais de dez milhões de euros em 2018 e 2019

Segundo um estudo realizado pelo banco espanhol Caixabank, em conjunto com a faculdade de gestão de empresas espanhola, IESE, as startups sediadas em Lisboa angariaram, em média, na última ronda de financiamento, 239.464 euros, abaixo da média do financiamento levantado pelas startups do Porto de 370.889 euros.

Entre 2018 e 2019, 33 startups portuguesas que se candidataram aos ‘Prémios Empreendedor XXI’ angariaram financiamento superior a dez milhões de euros na última ronda de financiamento.

Segundo estudo “Observatorio DayOne de startups na Península Ibérica”, apresentado esta terça-feira, realizado pelo banco espanhol Caixabank em conjunto com a faculdade de gestão de empresas espanhola, IESE, analisou o perfil do empreendedorismo em Portugal e Espanha com base nas 993 startups da Península Ibérica que participaram na 13ª edição dos “Prémios Empreededor XXI” e concluiu que houve 15 startups sediadas em Lisboa que obtiveram financiamento total de 3,591 milhões de euros, e 18 startups com sede no Porto que angariaram financiamento de 6,676 milhões de euros.

Em média, as startups sediadas na capital portuguesa angariaram, na última ronda de financiamento, 239.464 euros, abaixo da média do financiamento levantado pelas startups do Porto de 370.889 euros.

No total, estas 33 startups nacionais levantaram 10,267 milhões de euros, o que compara com o financiamento superior a 61 milhões de euros levantado pelas 195 startups espanholas, em 2018 e 2019, sediadas em Madrid, na Catalunha, no País Basco, na Andalusia e na Comunidade Valenciana.

O estudo concluiu ainda que estas startups portuguesas estão entre as mais endividadas. A média da dívida total das startups em Lisboa alcançou os 74.470 euros e, no Porto, aproximou-se dos 151,5 mil euros. Só as startups sediadas na Andalusia estavam mais endividadas, com um montante médio em dívida de quase 200 mil euros.

No entanto, as startups portuguesas estão entre as que mais recorrem a capitais próprios para investir. Entre as duas cidades portuguesas e as cinco regiões autónomas espanholas em consideração, as startups lisboetas foram as que mais capitais próprios investiram — pouco mais de 314 mil euros. Já as do Porto investiram mais de 219 mil euros em capitais próprios, apenas superadas pelas startups da Andalusia e de Madrid.

Em 2020 decorreu a 13ª edição dos ‘Prémios Empreendedor XXI’, na qual participaram 993 startups sediadas na Península Ibérica, entre as quais 139 são sediadas em Portugal — 75 na região Norte e Centro e 64 em Lisboa, no Sul e nas Ilhas.

Os “Prémios Empreendedor XXI” destinam-se a empresas inovadoras com menos de três anos de atividade e distinguem os seus projetos em duas categorias: territorial, onde são consideradas duas regiões em Portugal e 17 em Espanha, decorrendo em paralelo nos dois países, e setorial, onde são considerados seis setores a nível ibérico, decorrendo numa fase posterior. Em Portugal, este concurso é liderado pelo BPI, que é detido pelo Caixabank.

No total, a edição de 2020 distribuiu cerca de 525 mil euros em prémios, tornando-se numa das iniciativas para empreendedores com maior relevância económica na Península Ibérica.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Startups de inteligência artificial vencem os Prémios Empreendedor XXI

Sensei Tech e a HiJiffy venceram a iniciativa organizada pelo BPI e pela DayOne em parceria com a Agência Nacional de Inovação.
Recomendadas

Já nasceu o “Zomato” para marcar spas, cabeleireiros e PT

Depois de digitalizar a restauração em Portugal, Miguel Alves Ribeiro, diretor da Zomato em Portugal, abriu um novo negócio para colocar todos os espaços de bem-estar online. A partir deste sábado vai poder reservar o barbeiro ou a esteticista através da “Sheer Me”.

‘Proptech’ acalmam receios do imobiliário durante a pandemia

Tecnológicas e startups que trabalham com profissionais do imobiliário garantem que hoje, mais do que nunca, são uma mais-valia. A Casafari optou mesmo por investir numa empresa de software.

Jogo online francês financia-se em 4 milhões e negoceia com mais clubes portugueses

A empresa conta com mais de uma centena de clubes europeus, entre os quais FC Porto, SL Benfica e Sporting CP. Ao Jornal Económico, o CEO da Sorare diz que Portugal é uma ponte para a expansão internacional: “Há uma reserva incrível de talentos e estamos a recrutar muitos criadores de jogadores, economistas de jogos, e desenhadores de jogos”.
Comentários