Ministra do Mar apresenta primeira edição das startups do ‘Bluetech Accelerator’

Esta primeira edição do programa ‘Bluetech Accelerator’ tem como foco estratégico a digitalização do setor portuário, ‘shipping’ e logística marítima, estando previsto que sejam conhecidos os primeiros seis parceiros empresariais da iniciativa.

Cristina Bernardo

A ministra do Mar vai esta quarta-feira, dia 30 de janeiro, pelas 11 horas, no auditório do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em Algés, apresentar as novidades da primeira edição do ‘Bluetech Accelerator’, um programa de aceleração de ‘startups’ ligadas à Economia do Mar, desenvolvido em conjunto com a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD).

Esta primeira edição do programa tem como foco estratégico a digitalização do setor portuário, ‘shipping’ e logística marítima, estando previsto que sejam conhecidos os primeiros seis parceiros empresariais da iniciativa.

O programa ‘Bluetech Accelerator – Ports & Shipping 4.0’, será apresentado por Ruben Eiras, diretor-geral de Política do Mar, e por Pedro Rocha Vieira, CEO da Beta-i. Seguir-se-á a cerimónia de entrega dos galardões ‘Bluetech Pioneers’ e uma intervenção do presidente do Ocean Assets Institute, Michael Adams.

Depois, irá discursar Ana Paula Vitorino, terminado a sessão com um momento de degustação de produtos da pesca sustentável.

Recomendadas

Barclays passa de lucros a prejuízos e admite mais cortes de custos

Ainda segundo os resultados hoje conhecidos as receitas caíram 2% para 5,25 mil milhões de euros de libras (6,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual), o que levou o banco a admitir que terá de reforçar o cortar custos se a queda de receitas persistirem no resto do ano.

Microsoft ultrapassa um bilião de dólares em capitalização bolsista

A Microsoft junta-se assim à Apple e Amazon ao entrar no seletivo clube de empresas que conseguiram estar valorizadas em mais de um milhão de milhões de dólares (acima de um bilião de dólares) na bolsa norte-americana.

Robots poderão acabar com 1,1 milhões de empregos em Portugal até 2030

A nível nacional, para responder aos desafios da digitalização, 700 mil pessoas terão de alterar as suas ocupações laborais. Isto porque, 50% das horas de trabalho são susceptíveis de ser substituídas por processos automatizados até 2030. Um cenário que tornará redundantes 1,1 milhões de empregos sobretudo na manufactura e agricultura, revela estudo promovido pela CIP.
Comentários