Ministra do Mar apresenta primeira edição das startups do ‘Bluetech Accelerator’

Esta primeira edição do programa ‘Bluetech Accelerator’ tem como foco estratégico a digitalização do setor portuário, ‘shipping’ e logística marítima, estando previsto que sejam conhecidos os primeiros seis parceiros empresariais da iniciativa.

Cristina Bernardo

A ministra do Mar vai esta quarta-feira, dia 30 de janeiro, pelas 11 horas, no auditório do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em Algés, apresentar as novidades da primeira edição do ‘Bluetech Accelerator’, um programa de aceleração de ‘startups’ ligadas à Economia do Mar, desenvolvido em conjunto com a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD).

Esta primeira edição do programa tem como foco estratégico a digitalização do setor portuário, ‘shipping’ e logística marítima, estando previsto que sejam conhecidos os primeiros seis parceiros empresariais da iniciativa.

O programa ‘Bluetech Accelerator – Ports & Shipping 4.0’, será apresentado por Ruben Eiras, diretor-geral de Política do Mar, e por Pedro Rocha Vieira, CEO da Beta-i. Seguir-se-á a cerimónia de entrega dos galardões ‘Bluetech Pioneers’ e uma intervenção do presidente do Ocean Assets Institute, Michael Adams.

Depois, irá discursar Ana Paula Vitorino, terminado a sessão com um momento de degustação de produtos da pesca sustentável.

Recomendadas

Jorge Alves foi eleito o melhor enólogo ano em Portugal em 2018

O prémio de Jorge Alves, o enólogo principal da casa desde 2012, atribuído pela revista ‘Vinho Grandes Escolhas’, ficou reforçado pelo destaque aos Mirabilis, dois grandes reservas tinto e branco entre os melhores vinhos do ano.

Empresa de engenharia Quadrante entra na África do Sul

A Quadrante vai desenvolver o projeto de estruturas do futuro ‘Centro Comercial Fourways Mall’, em Joanesburgo, uma obra que será realizada em parceria com a Mota – Engil.

Sasia recicla 900 toneladas de resíduos têxteis por mês

Cerca de metade do volume da nova matéria-prima produzida pela Sasia é absorvida pela indústria nacional, enquanto os restantes 50% têm como destino a Europa.
Comentários