Ministra do Mar apresenta primeira edição das startups do ‘Bluetech Accelerator’

Esta primeira edição do programa ‘Bluetech Accelerator’ tem como foco estratégico a digitalização do setor portuário, ‘shipping’ e logística marítima, estando previsto que sejam conhecidos os primeiros seis parceiros empresariais da iniciativa.

Cristina Bernardo

A ministra do Mar vai esta quarta-feira, dia 30 de janeiro, pelas 11 horas, no auditório do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em Algés, apresentar as novidades da primeira edição do ‘Bluetech Accelerator’, um programa de aceleração de ‘startups’ ligadas à Economia do Mar, desenvolvido em conjunto com a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD).

Esta primeira edição do programa tem como foco estratégico a digitalização do setor portuário, ‘shipping’ e logística marítima, estando previsto que sejam conhecidos os primeiros seis parceiros empresariais da iniciativa.

O programa ‘Bluetech Accelerator – Ports & Shipping 4.0’, será apresentado por Ruben Eiras, diretor-geral de Política do Mar, e por Pedro Rocha Vieira, CEO da Beta-i. Seguir-se-á a cerimónia de entrega dos galardões ‘Bluetech Pioneers’ e uma intervenção do presidente do Ocean Assets Institute, Michael Adams.

Depois, irá discursar Ana Paula Vitorino, terminado a sessão com um momento de degustação de produtos da pesca sustentável.

Recomendadas

5G: Nowo já pediu estabelecimento de acordos de ‘roaming’

De acordo com o regulamento, os operadores vão ter de chegar a acordo entre eles e têm 45 dias para o fazer, caso tal não aconteça podem recorrer à Anacom para arbitrar o processo.

Grupo FNAC investe 300 mil euros e abre primeira loja de bem-estar e sustentabilidade em Portugal

A insígnia abrange aromaterapia, chás e infusões, entre outros. “Pretende inspirar a fazer essa mudança. Traz consigo o propósito de criar um mundo melhor, apelando a um modo de vida mais consciente, mais próximo da natureza, com foco no bem-estar e no respeito pelo planeta”, garante ao JE o diretor geral, Nuno Luz.

CEO da Apple assinou “acordo secreto” de 275 mil milhões de dólares com oficiais chineses para continuar a operar no país

Em 2016, os executivos da Apple ficaram alarmados com as ameaças do governo chinês contra recursos como Apple Pay, iCloud e App Store, o que levou Cook a realizar uma série de reuniões secretas com autoridades de Pequim.
Comentários