Conferência mundial debate Intangíveis e Capital Inteletual em Coimbra

Conferência na Coimbra Business School conta com o Jornal Económico como media partner e vai discutir a economia do futuro, numa altura em que a sociedade global se defronta com a disrupção e os riscos associados às novas tecnologias que prometem um mundo melhor. Pode assistir a esta conferência em direto no site do JE e nas redes sociais do Jornal Económico. 

Fachada do ISCAC, em Coimbra

No âmbito do Portugal Financial Forum, a Coimbra Business School acolhe esta quinta e sexta-feira, 26 e 27 de setembro, em colaboração com o Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra (ISCAC) e com a Universidade de Ferrara (Itália), a 15.ª Conferência Interdisciplinar sobre “Intangíveis e Capital Intelectual – Relatórios Não Financeiros e Integrados, Governance e Criação de Valor”, promovida pela corretora Activtrades e da qual o Jornal Económico é media partner.

Pode assistir a esta conferência em direto no site do JE e nas redes sociais do Jornal Económico.

“Esta conferência pretende continuar o seu papel de longa data na criação de um fórum de intercâmbio académico sobre pesquisa teórica e empírica, qualitativa e quantitativa na área de Intangíveis e Capital Inteletual amplamente concebida”, de acordo com a organização.

O evento vai debater e demonstrar a importância de investigar a dinâmica da criação de valor e o aprofundamento das áreas de assuntos “Intangíveis e Setor Público”, “Relatórios Integrados”, “Avaliação e Reputação de Marcas” e “Digital Transformação comercial, investimentos em TI e intangíveis”.

“Apenas com um aumento da literacia financeira é possível abrir horizontes para novas formas de investimento”, argumentam os organizadores.

Ao Jornal Económico, o presidente do ISCAC, Pedro Costa, salientou a importância da realização de “um evento mundial reputadíssimo na Europa”, contando com a participação de representantes de 19 países, entre os quais “Canadá, Nova Zelândia, Japão e EUA”.

Na opinião do presidente do ISCAC, a dimensão mundial do evento que confere-lhe “uma elevadíssima qualidade na conferência”. O grande destaque para Pedro Costa será a mesa redonda desta quinta-feira, que decorre a partir das 16h40 e contará com a participação do antigo ministro da Economia Manuel Caldeira Cabral, de Florinda Matos (professora no ISCTE e presidente da ICCA), Nelson Fontainhas (partner na Deloitte Portugal) e com a moderação de Stefano Zambon (Universidade de Ferrara).

Esta mesa redonda “vai debater os intangíveis e enquadrar a perspetiva portuguesa”, disse o presidente do ISCAC.

As professoras Lúcia Lima (Universidade de Coimbra) e Marcia Annisette (Schulich Business School, Universidade de York, Toronto) e Rasmus Sommer (EFRAG – European Financial Reporting Advisory Group) são os oradores principais.

A realização desta conferência “encontra-se na linha estratégica da escola na organização de grandes conferências a nível mundial”, salienta Pedro Costa, para quem o auge dessa estratégia foi a sessão do filósofo francês Gilles Lipovetsky, em janeiro deste ano, no ISCAC. “Foi uma conferência brilhante sobre o hiperconsumo”, lembra Pedro Costa.

Esta quinta-feira, a conferência tem início às 9h00 e termina com um jantar de gala pelas 20h30. Na sexta-feira o evento decorre entre as 9h00 e as 16h00.

 

 

Recomendadas

Operadora de jogo de Macau MGM China com resultado positivo de 12,6 milhões

A MGM China, operadora de jogo com dois casinos em Macau, anunciou esta quinta-feira um EBITDA positivo (lucros antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) no segundo trimestre do ano.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

«Enquanto os parceiros continentais de Bruxelas e, do outro lado do Atlântico, a Fed insistem que a economia tem ainda alguns passos a dar até se poder pensar numa subida das taxas de juro, Londres deverá manter semelhante posição, podendo, no entanto, sinalizar já alguma abertura a considerar o próximo passo.

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.
Comentários