Do ‘dieselgate’ a dispositos fraudulentos: 5 escândalos que abalaram a indústria automóvel

A prisão de Ghosn terá estado no centro de um escândalo de fraude fiscal. Este é apenas um caso que já envolveu várias marcas e grandes líderes de empresas.

1
Prisão do “guru dos carros”

“Interesseiro” e “traidor”, Carlos Ghosn caiu em desgraça e a comunicação social japonesa não tem sido meiga com o patrão da Renault-Nissan, acusado de declarar apenas metade dos rendimentos no país entre 2011 e 2015 e de usar bens da empresa para usufruto pessoal. A empresa já está a acionar os mecanismos necessários para terminar o contrato de Ghosn, levando a um tombo superior a 10% nas ações da Renault durante a manhã de ontem, para mínimos de quatro anos.

2

Dispositivo fraudulento

Em 2015, a Agência Ambiental norte-americana denunciou que a Volkswagen instalou dispositivos de manipulação de emissões poluentes em automóveis em motores 3.0, incluindo o Touareg 2014, o Porsche Canyenne 2015 e o Audi A6 Quattro 2016, noticiou a Bloomberg. A instalação deste dispositivo tecnológico permitiu que estes veículos passassem nos testes poluentes, embora as emissões fossem nove vezes superiores ao permitido por lei. O fabricante automóvel alemão terá instalado o dispositivo fraudulento para enganar os testes em modelos entre 2014 e 2016.

3

Dieselgate

Uma investigação nos EUA acabaria por descobrir que a Volkswagen manipulou o dispositivo das emissões poluentes em veículos a gasóleo. A empresa alemã admitiu a fraude, que envolve 11 milhões de carros vendidos em todo o mundo. Entretanto, o escândalo alastrou-se a outras marcas. Em junho deste ano, o diretor-executivo da Audi, subsidiária da Volkswagen, foi detido, na sequência do chamado “Dieselgate”, de manipulação em massa os resultados das emissões poluentes dos carros do grupo alemão. Rupert Stadler é acusado de fraude neste que é o maior escândalo de sempre na indústria automóvel alemã e, agora, é suspeito destruição e ocultação de prova, segundo os procuradores alemães. O escândalo custou à Volkswagen mais de 25 mil milhões de dólares (20.218 milhões de euros, ao câmbio actual) em multas, indemnizações e custas legais.

4

Macacos submetidos a fumos tóxicos emitidos por motores a diesel

A Volkswagen, a Daimler (que detém a Mercedes-Benz) e a BMW financiaram um estudo em que macacos foram submetidos a fumos tóxicos emitidos por motores a diesel, noticiou o New York Times, num artigo que reabriu a polémica sobre a fraude relativa à manipulação dos valores das emissões de gases poluentes que afectou milhões de veículos daqueles grupos germânicos e de outras marcas europeias.

5

Detenção de alto responsável da Porsche

Em abril deste ano, um alto responsável da Porsche foi detido no escândalo VW. As buscas , que envolveram 160 agentes da polícia e 30 elementos do Ministério Público alemão, alargaram a dimensão do escândalo, revelado há quase três anos nos EUA, em que a Volkswagen falsificou dados das emissões de dióxido de carbono nos seus automóveis a diesel.

Ler mais
Recomendadas

Governo avança com lei que permite aos bancos contabilizar como custo fiscal as novas imparidades

“A presente alteração visa sanar a divergência entre os sistemas contabilísticos e fiscais no que respeita ao tratamento de perdas por imparidades associadas a operações de crédito. Prevêem-se ainda regras disciplinadoras para as perdas por imparidade registadas nos períodos de tributação com início anterior a 1 de janeiro de 2019, e ainda não aceites fiscalmente”, diz o último comunicado do Conselho de Ministros

BPI vence Prémio Cinco Estrelas na categoria de Banca Digital

O BPI é líder na penetração do homebanking, com quase metade dos seus clientes particulares a serem utilizadores deste canal. O mesmo acontece no caso dos clientes empresariais, em que 84,5% usam os canais digitais do Banco. Isto segundo o estudo BASEF Banca relativo ao período de fevereiro a agosto de 2018.

Fever vai investir cinco milhões em co-organização de eventos em Portugal

A ronda de financiamento contou também com a participação dos já investidores Accel Partners e 14W Ventures, além da Portugal Ventures e da Caixa Capital.
Comentários