5G. Ericsson pressiona governo da Suécia e ameaça sair do país se prevalecer exclusão da Huawei

Para a Ericsson a exclusão da Huawei do 5G na Suécia terá efeitos negativos naquele mercado, por limitar a livre concorrência, o que prejudicará o desenvolvimento da nova vaga tecnológica.

O desenvolvimento da quinta geração da rede móvel (5G) na Suécia continua a gerar polémica, por causa da exclusão das chinesas Huawei e da ZTE de todo o processo pelo regulador setorial daquele país. A decisão já levou a concorrente Ericsson a pedir a reversão da decisão, mas agora o presidente da Ericsson, Börje Ekholm, pediu mesmo ao governo para intervir e evitar que as empresas chinesas fiquem fora do 5G sueco. Ekholm terá mesmo sugerido que a empresa sueca que lidera sairá do país se o regulador não voltar atrás na decisão.

De acordo com o jornal sueco Dagens Nyheter, citado pela Bloomberg, o CEO da Ericsson tem pressionado a ministra dos Negócios Estrangeiros da Suécia, Anna Hallberg, para o governo mudar a decisão tomada em outubro de 2020 pela Post- och telestyrelsen (PTS, ou Autoridade de Correios e Telecomunicações Sueca), o regulador das comunicações.

O mesmo jornal aponta que Ekholm terá mesmo dito à governante que “se a proibição à Huawei continuar, a Ericsson deixará a Suécia”. Mas a ameaça pode não ter surtido efeito junto de Anna Hallberg.

Segundo a ministra, “o governo [sueco] não pode suspender a proibição da Huawei, porque a secretaria interina da administração PTS tomou a decisão com base nas recomendações do departamento de segurança e das forças de defesa nacional”

Para a Ericsson a exclusão da Huawei do 5G na Suécia terá efeitos negativos naquele mercado, por limitar a livre concorrência, o que prejudicará o desenvolvimento da nova vaga tecnológica.

O regulador das comunicações na Suécia anunciou no dia 20 de outubro 2020 a proibição do uso de novos equipamentos dos grupos chineses Huawei e ZTE na nova rede de telecomunicações 5G, como medida de segurança nacional. A PTS determinou que o equipamento já instalado teria de ser removido até 1 de janeiro de 2025.

Na origem da decisão está a alegação de que a influência do Estado chinês sobre o setor privado, via Huawei e ZTE neste caso, “traz consigo fortes incentivos para que as empresas privadas atuem de acordo com os objetivos do Estado e as estratégias nacionais do partido comunista [chinês]”.

Ora a decisão vai ao encontro de uma campanha impulsionada pelos Estados Unidos para que os países aliados banissem empresas chinesas como a Huawei e a ZTE do 5G. Na Europa, além da Suécia também o Reino Unido decidiu banir a Huawei do 5G.

A Huawei manifestou-se, então, “surpreendida” com a decisão e interpôs um recurso junto dos tribunais, tendo a justiça dado razão à Huawei e exigido que o regulador para as telecomunicações (PTS) apresentasse “argumentos substantivos” para a exclusão da empresa.

A posição levou à suspensão do leilão para o 5G na Suécia, inicialmente agendado para arrancar no dia 10 de novembro de 2020.

Relacionadas

5G: Bruxelas admite atrasos e insta Portugal e nove outros países a avançar com leilões

A Comissão Europeia diz que “os atrasos, inclusive nos leilões para a atribuição de frequências 5G, criam incerteza para as empresas que têm de tomar decisões e criam incerteza para os consumidores”. Os dados mais recentes do Observatório Europeu para o 5G (estrutura criada pela Comissão Europeia para acompanhar a evolução desta tecnologia) revelam que, até final de setembro, apenas havia serviços comerciais em 17 países da UE – Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, República Checa, Dinamarca, Finlândia, Holanda, Hungria, Irlanda, Itália, Letónia, Polónia, Roménia, Eslovénia, Espanha e Suécia.

Ericsson defende inclusão da Huawei no 5G na Suécia

CEO da Ericsson defende que a decisão de banir a Huawei do 5G na Suécia “tem de ser revista”, sendo importante defender o “mercado aberto e a livre concorrência”. O arranque do leilão do 5G na Suécia estava marcado para dia 10 de novembro.

5G: Tribunal sueco suspende decisão de banir Huawei do leilão

Avança a “Reuters” que a Huawei não irá, para já, avançar com mais ações legais e, de acordo com declarações de Kenneth Fredriksen, executive vice-president, Central East Europe and Nordic Region à agência noticiosa, a tecnológica espera encetar um diálogo construtivo com as autoridades suecas.
Recomendadas

Volkswagen investe 40 milhões de euros na expansão de parques eólicos e solares na Europa

A empresa informou ter como objetivo ser neutra em carbono em 2050 e que vai além da eletrificação dos veículos com o programa de descarbonização “caminho para Zero”.

BEI dá 75 milhões de garantia ao Deutsche Bank para financiar PME

O BEI concedeu uma garantia de 75 milhões de euros para o Deutsche Bank financiar as PME alemãs afetadas pela Covid-19. Trata-se de uma das primeiras titularizações sintéticas do FEI sob o novo padrão STS (de transparência e simplificação) e uma das primeiras no mercado.

Terceira dose da vacina contra a Covid-19 neutraliza Ómicron, anuncia Pfizer

No entanto, as empresas dizem ainda que estão confiantes de que vão ter uma versão da vacina específica contra a variante Omicron prontas para distribuir em março do próximo ano.
Comentários