5G. Reino Unido preparado para excluir Huawei

A informação é avançada pela Reuters. O Conselho de Segurança Nacional do Reino Unido, órgão que é presidido pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, reúne esta terça-feira para discutir o tema.

Num volte-face com contornos ainda por esclarecer, a Huawei pode estar na iminência de passar de fornecedora de rede móvel a empresa banida no Reino Unido para o desenvolvimento e implementação da quinta geração da rede móvel (5G). Numa movimentação que pode “irritar” a China e “deliciar” os Estados Unidos, a agência Reuters noticia esta terça-feira, 14 de julho, que o governo de Boris Johnson está “preparado” para banir a Huawei do 5G britânico.

A Reuters refere que o novo posicionamento britânico se deve à forma como a China e as autoridades de Hong Kong têm atuado perante as manifestações contra a nova legislação de segurança daquela região administrativa especial chinesa.

Mas também o mais recente relatório da GCHQ, que surgiu no seguimento de uma nova restrição imposta pelos Estados Unidos à Huawei, aplicada em maio, vem dar força à mudança de atitude britânica. A nova regra estipula que os fabricantes estrangeiros de semicondutores que usem tecnologia norte-americana devem obter licença ou certificação para vender semicondutores fabricados para a Huawei.

Desta forma, a administração Trump torna cada vez mais difícil o acesso das empresas de telecomunicações europeias aos produtos da maior fabricante mundial de equipamentos de telecomunicações, a Huawei. Por um lado, a medida permite que empresas nos EUA trabalhem com a Huawei. Mas, por outro, obriga à revisão da estratégia dos Estados perante a Huawei.

O Conselho de Segurança Nacional do Reino Unido, órgão que é presidido pelo primeiro-ministro britânico, reúne esta terça-feira para discutir o tema. O ministro para a Transição Digital, Cultura, Media e Desporto daquele Estado, Oliver Dowden, fará ao final da manhã desta terça-feira uma comunicação sobre a reunião e a Huawei na Câmara dos Comuns.

Há um ano, o comité de inteligência e segurança do Reino Unido (o Government Communications Headquarters, GCHQ) tinha garantido, em julho de 2019, que barrar a Huawei tornaria as redes menos resistentes a ataques maliciosos, evidenciando que banir a empresa chinesa reduziria a concorrência e deixaria o Reino Unido dependente de apenas dois fornecedores, Nokia e Ericsson.

Já em 2020, em janeiro, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, abriu caminho à Huawei, procurando um acordo para que as operadoras britânicas usassem equipamentos da Huawei para desenvolver 5G, desde que concordassem em não usá-los no core da nova rede móvel – isto é, em núcleos sensíveis da rede.

Agora, a atitude do governo britânico mudou, após pressão dos EUA e numa altura em que o Reino Unido prepara a separação definitiva da União Europeia, após a consumação do Brexit em janeiro.

Embora a Huawei negue qualquer acusação e Pequim acuse os EUA de usar leis de segurança nacional para restringir um rival que ameaça o domínio exercido pelas empresas de tecnologia dos EUA, a administração Trump continua a acusar a maior fabricante mundial de equipamentos para empresas de telecomunicações de cooperar com os serviços secretos chineses.

Ler mais
Recomendadas

Bayer cai fortemente em bolsa depois de anunciar provisões e contenção de custos

A empresa de Leverkusen havia já adiantado que o impacto da crise da Covid-19 no seu negócio agroindustrial seria maior do que inicialmente previsto, tendo agora anunciado novas medidas para fazer face às perdas esperadas.

Horários flexíveis em Lisboa e Porto vão durar seis meses e podem ser alterados todas as semanas

As empresas com mais de 50 trabalhadores vão poder alterar os horários semanalmente, mas a diferença máxima na hora de entrada e saída só pode ser de uma hora. Limites máximos diários e semanais do horário de trabalho não podem ser ultrapassados, nem passar o horário diurno ou noturno e vice-versa.

Salesforce cria tecnologia para gerir e distribuir vacinas da Covid-19

A plataforma “Work.com for Vaccines” tem com objetivo auxiliar as entidades de saúde a evitar eventuais interrupções na cadeia de abastecimento, dado que gere os inventários e apoia os profissionais a determinarem e priorizarem a elegibilidade das pessoas para a administração do fármaco.
Comentários