5G. Reino Unido preparado para excluir Huawei

A informação é avançada pela Reuters. O Conselho de Segurança Nacional do Reino Unido, órgão que é presidido pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, reúne esta terça-feira para discutir o tema.

Num volte-face com contornos ainda por esclarecer, a Huawei pode estar na iminência de passar de fornecedora de rede móvel a empresa banida no Reino Unido para o desenvolvimento e implementação da quinta geração da rede móvel (5G). Numa movimentação que pode “irritar” a China e “deliciar” os Estados Unidos, a agência Reuters noticia esta terça-feira, 14 de julho, que o governo de Boris Johnson está “preparado” para banir a Huawei do 5G britânico.

A Reuters refere que o novo posicionamento britânico se deve à forma como a China e as autoridades de Hong Kong têm atuado perante as manifestações contra a nova legislação de segurança daquela região administrativa especial chinesa.

Mas também o mais recente relatório da GCHQ, que surgiu no seguimento de uma nova restrição imposta pelos Estados Unidos à Huawei, aplicada em maio, vem dar força à mudança de atitude britânica. A nova regra estipula que os fabricantes estrangeiros de semicondutores que usem tecnologia norte-americana devem obter licença ou certificação para vender semicondutores fabricados para a Huawei.

Desta forma, a administração Trump torna cada vez mais difícil o acesso das empresas de telecomunicações europeias aos produtos da maior fabricante mundial de equipamentos de telecomunicações, a Huawei. Por um lado, a medida permite que empresas nos EUA trabalhem com a Huawei. Mas, por outro, obriga à revisão da estratégia dos Estados perante a Huawei.

O Conselho de Segurança Nacional do Reino Unido, órgão que é presidido pelo primeiro-ministro britânico, reúne esta terça-feira para discutir o tema. O ministro para a Transição Digital, Cultura, Media e Desporto daquele Estado, Oliver Dowden, fará ao final da manhã desta terça-feira uma comunicação sobre a reunião e a Huawei na Câmara dos Comuns.

Há um ano, o comité de inteligência e segurança do Reino Unido (o Government Communications Headquarters, GCHQ) tinha garantido, em julho de 2019, que barrar a Huawei tornaria as redes menos resistentes a ataques maliciosos, evidenciando que banir a empresa chinesa reduziria a concorrência e deixaria o Reino Unido dependente de apenas dois fornecedores, Nokia e Ericsson.

Já em 2020, em janeiro, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, abriu caminho à Huawei, procurando um acordo para que as operadoras britânicas usassem equipamentos da Huawei para desenvolver 5G, desde que concordassem em não usá-los no core da nova rede móvel – isto é, em núcleos sensíveis da rede.

Agora, a atitude do governo britânico mudou, após pressão dos EUA e numa altura em que o Reino Unido prepara a separação definitiva da União Europeia, após a consumação do Brexit em janeiro.

Embora a Huawei negue qualquer acusação e Pequim acuse os EUA de usar leis de segurança nacional para restringir um rival que ameaça o domínio exercido pelas empresas de tecnologia dos EUA, a administração Trump continua a acusar a maior fabricante mundial de equipamentos para empresas de telecomunicações de cooperar com os serviços secretos chineses.

Ler mais
Recomendadas

PremiumConservas querem substituir 200 milhões de importações

Campanha em curso de promoção do consumo de conservas deverá aumentar vendas em cerca de 5%, revela José Maria Freitas, presidente da ANICP – Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe, em entrevista ao Jornal Económico.

Lucro da petrolífera Saudi Aramco cai 50% no primeiro semestre para 19,7 mil milhões de euros

A petrolífera Saudi Aramco alcançou 23,2 mil milhões de dólares (cerca de 19,7 mil milhões de euros) de lucro no primeiro semestre deste ano, menos 50% do que em igual período do 2019, penalizado pela pandemia de covid-19.

Apenas 2,7% das coimas da Autoridade da Concorrência foram pagas desde 2004

Uma das razões para os atrasos são os múltiplos recursos na Justiça, que contribuem para que só uma pequena parte das coimas seja paga.
Comentários