821 milhões de pessoas passam fome no mundo

Caso não sejam feitos ainda mais esforços, mais ou menos cinquenta países poderão não erradicar a fome até ao ano de 2030, revela estudo.

Noor Images

Índice Global da Fome 2018 (GHI, em inglês), tornado público esta quinta-feira, dia 11 de outubro, revelou que 821 milhões de pessoas, atualmente, estão a passar fome e que apesar de todos os progressos feitos até hoje, caso não sejam feitos ainda mais esforços, mais ou menos cinquenta países poderão não erradicar a fome até ao ano de 2030.

O relatório indica que o flagelo da fome caiu 28% a nível global desde o início do século e a mortalidade infantil, de crianças com menos de cinco anos, diminuiu para metade exatamente no mesmo período, no entanto alerta que há ainda níveis muito graves de fome no mundo.

O relatório, que é elaborado anualmente pela organização não-governamental (ONG) alemã Welthungerhilfe e a irlandesa Concern Worldlife, assim como pelo Instituto Internacional de Investigação sobre Políticas Alimentares (IFPRI), dos Estados Unidos, escreve que alerta que 45 dos 117 países incluídos no índice têm níveis “graves” de fome e outros seis – Chade, Haiti, Madagáscar, Serra Leoa, Iémen e Zâmbia – têm níveis “muito graves”.

Países como Burundi, República Democrática do Congo, Eritreia, Líbia, Somália, Sudão do Sul e na Síria revelam ter uma situação de fome e de desnutrição é “preocupante”.  Ainda assim, o relatório refere países nas regiões mais afetadas pela fome, como é o caso do Gabão, do Gana, das Maurícias, do Senegal, da África do Sul e do Sri Lanka, que conseguiram atingir níveis “moderados”.

“Os confrontos bélicos, os conflitos e as consequências das alterações climáticas geram fuga, deslocados e fome. Precisamos de soluções políticas duradouras para os conflitos no mundo para alcançar a erradicação da fome uma vez por todas”, alertou a presidente da Welthungerhilfe, Bärbel Dieckmann, sublinhando ainda que a situação é mais grave no sul da Ásia e na África subsariana.

Relacionadas

Consumo da carne terá que ser reduzido em 90% para evitar “colapso climático”

Cada cidadão deverá reduzir 75% do seu consumo de carne de vaca, 90% de carne de porco, comer metade da quantidade de ovos e triplicar o consumo de frutos secos e sementes.

FMI: África cresce 3,1% este ano mas as vulnerabilidades não foram resolvidas

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estimou hoje que as economias da África subsaariana cresçam 3,1% este ano e 3,8% em 2019, comprovando a recuperação em curso, mas alertou para a necessidade de resolver as “vulnerabilidades subjacentes”.

Associação ambientalista Zero: ”Temos que penalizar mais os carros a gasóleo e gasolina”

Francisco Ferreira disse ao Jornal Económico que há medidas que têm de ser implementadas para combater o aquecimento global e que é necessário uma ”mudança radical”. ”Portugal é um dos países mais afetados pelas alterações climáticas à escala europeia”, sublinha.
Recomendadas

Pedrógão Grande: Renegociação do contrato com o Estado implicou redução da faixa de limpeza, revela Ascendi

“Aquando da intervenção da ‘troika’ no nosso país houve uma renegociação do contrato de concessão com o Estado, em maio de 2013, o que obrigou a diminuir os serviços. Por isso, a faixa de gestão de combustível passou para exclusivamente três metros”, afirmou José Revés ao juiz de instrução do Tribunal da Comarca de Leiria.

Compra pela Amazon? Vêm aí entregas mais ecológicas

”Shipment Zero” é o nome da iniciativa que inclui implementação de energias renováveis, entrega de encomendas em veículos elétricos e a disponibilização da pegada de carbono da empresa no final do ano.

Ministros europeus dos Negócios Estrangeiros reúnem-se para discutir alterações climáticas

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE juntam-se hoje para debater a visão estratégica a longo prazo da Comissão para uma Europa neutra em termos de clima e apelam para uma acção urgente e decisiva para reforçar a resposta global face às alterações climáticas.
Comentários