Covid-19. 96% dos novos casos nas últimas 24 horas registados em Lisboa e Vale do Tejo

A nível nacional, o número de novos casos cresceu 0,61% para 32.700 casos, com o número de vítimas mortais a subir 0,99% para 1.424 óbitos.

Portugal regista um total de 32.700 casos confirmados do novo coronavírus, mais 200 face ao dia anterior, um crescimento de 0,61%.

A Covid-19 já provou um total de 1.424 vítimas mortais, mais 14 nas últimas 24 horas, um número igual ao do dia anterior, um crescimento de 0,99%, segundo os dados hoje divulgados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Dos 200 novos casos nas últimas 24 horas, 193 foram registados na região de Lisboa e Vale do Tejo, representando 96% do total.

No domingo, Portugal registou um total de 32.500 casos confirmados, e um total de 1.410 vítimas mortais.

Neste momento, 1.720 pacientes aguardam resultados laboratorial para a Covid-19, com um total de 19.552 casos recuperados.

Por regiões, o norte regista 16.760 casos confirmados e 791 vítimas mortais; o centro atingiu os 3.747 casos e 230 vítimas mortais.

Mais a sul, o Alentejo conta com 259 casos confirmados e 1 óbito, enquanto o Algarve regista 372 casos e 15 vítimas mortais.

Nas regiões autónomas, os Açores contam com 137 casos e 15 óbitos, com a Madeira a registar 90 casos.

Ler mais

Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários