97% das empresas diz que carga fiscal é “negativa” ou “muito negativa”

Empresas consideram que o peso global dos impostos directos (89% de avaliações negativas), indirectos (89%), e de outras taxas e encargos (88%) é “excessivo”.

Há mais empresas a considerarem a carga fiscal em Portugal como “negativa” ou “muito negativa” face ao ano passado, conclui a consultora EY, num survey divulgado esta quarta-feira.

O survey da EY sobre que medidas gostariam de ver inscritas no Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) conclui que 26%, das 100 empresas inquiridas, classifca como “muito negativa” a carga fiscal em Portugal e 61% como “muito negativa”. Em termos globais, no ano passado fixou-se em 97%.

“A percepção praticamente unânime da amostra, e o aumento face ao ano anterior deste indicador, sugere uma leitura de que o peso global dos impostos directos (89% de avaliações negativas), indirectos (89%), e de outras taxas e encargos (88%) é excessivo”, refere ainda o estudo.

Segundo o estudo, 92% das empresas avaliaram negativamente o esforço que lhes é exigido para cumprir com as suas obrigações fiscais.

“Uma carga fiscal excessiva, associada à dificuldade para cumprir com as obrigações contributivas, torna mais difícil ou inviabiliza algumas decisões de investimento”, refere a EY.

As empresas consideram ainda que o acesso e a celeridade do sistema de justiça fiscal têm uma avaliação negativa ou muito negativa no total. “Um sistema fiscal complexo e uma postura menos cooperante dos serviços fiscais resultam em situações de litígio com a Autoridade Tributária e Aduaneira”, aponta. “Na opinião da maioria das empresas é  importante aumentar a segurança jurídica dos contribuintes, simplificando a sua relação com a máquina fiscal e promovendo a resolução de diferendos”, acrescenta.

Ler mais

Recomendadas

Açores em números. Economia regional representa 2% do PIB de Portugal

Uma casa neste arquipélago vale menos 146 euros por metro quadrado do que a média nacional. Só o município de Ponta Delgada tem poder de compra per capita superior à média do país. Estes e outros indicadores estatísticos neste retrato da região autónoma.

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.
Comentários