“A Arte da Guerra”. “Presidência portuguesa do Conselho da UE Portugal está a dar mostras de grande capacidade”

Até 30 de junho de 2021, Portugal assume a Presidência rotativa do Conselho da UE e a dois meses do final desta Presidência, o embaixador Francisco Seixas da Costa fez o balanço deste período.

Na última edição do programa “A Arte da Guerra”, da plataforma multimédia JE TV, o embaixador Francisco Seixas da Costa analisou os primeiros três meses de presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

Entre 1 de janeiro e 30 de junho de 2021, Portugal assume a Presidência rotativa do Conselho da UE. O Conselho (nome informal) é a instituição que representa os governos dos países da UE.

Reúne os seus ministros ou secretários de estado para adotar legislação e coordenar políticas. Nesse semestre, Portugal vai planear e presidir às reuniões do Conselho e das suas instâncias preparatórias e representar o Conselho nas relações com as outras instituições da UE.

Relacionadas

Da insurgência em Moçambique à presidência portuguesa do Conselho da UE. Veja a “Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.
Recomendadas

Luís Aguiar-Conraria: “Valor acrescentado que os economistas podem dar é uma forma racional de olhar para os problemas”

O economista Luís Aguiar-Conraria lançou o livro “A Culpa Vive Solteira” e em entrevista nesta “Fast Talk” explica como aplica os instrumentos típicos do estudo económico para analisar as principais questões da nossa sociedade

Enriquecimento ilícito: o que propõem os partidos?

A criminalização do enriquecimento ilícito tem sido discutida no Parlamento há quinze anos. Foi aprovada duas vezes pelo Parlamento, mas foi sempre chumbada pelo Tribunal Constitucional. Agora, com a agitação provocada pela ‘Operação Marquês’, o tema está novamente na ordem do dia.

TAP: como se explica o prejuízo recorde em 2020?

O resultado da TAP SA representa um agravamento de 1.134,6 milhões de euros face ao resultado líquido negativo obtido em 2019, que foi de -95,6 milhões de euros. Com impacto negativo assinalam-se os custos de ‘overhedge de Jet Fuel’, em resultado da quebra de atividade sofrida pela pandemia.
Comentários