Premium“A caminho dos 40 é que vou tirar um curso novo?”, diz professora desempregada

Uma professora, após oito anos a contratos, fica sem colocação. Um artista nada recebe pelas exposições que realiza e um estivador nunca sabe se amanhã há o que fazer. Três casos entre 8,9% dos madeirenses.

É dia de semana e muitos já trocam o pijama pela roupa de ir trabalhar, comem à pressa ou saem de casa de pão na mão, fecham a porta à chave e penteiam-se pelo caminho, enquanto ligam o carro e jogam a mala para o banco de trás. Mas esta não é uma realidade para 8,9% das pessoas que vivem na Madeira.

Cláudia é professora na Região desde 2010 e sempre ficou colocada desde o primeiro dia de aulas exceto em 2014, quando a colocaram mais tarde. Nesse ano começou a trabalhar em outubro, o que significa que a possibilidade de vínculo ao fim de cinco anos, o tempo necessário para um professor ficar afeto à região autónoma, tinha acabado. Talvez mais para a frente…

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumTomás Correia impugna condenação do Banco de Portugal

O atual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral entregou no fim de maio no Tribunal de Santarém a ação de impugnação do processo de contraordenação que aplicou uma multa de 1,25 milhões. O Jornal Económico sabe a juíza aceitou a ação de impugnação e, “ao contrário do Ministério Público vai chamar testemunhas”, diz fonte conhecedora do processo.

Premium“Há efetivamente uma necessidade de mudança na Madeira”

Miguel Gouveia acredita que o PS poderá vencer as regionais. O autarca destaca que Cafôfo tem capacidade de diálogo para forjar coligações.

PremiumMagistrados criticam “equívocos” salariais

Tal como os juízes conselheiros, os magistrados do Ministério Público também vão poder ganhar mais do que o primeiro-ministro.
Comentários