Premium“A caminho dos 40 é que vou tirar um curso novo?”, diz professora desempregada

Uma professora, após oito anos a contratos, fica sem colocação. Um artista nada recebe pelas exposições que realiza e um estivador nunca sabe se amanhã há o que fazer. Três casos entre 8,9% dos madeirenses.

É dia de semana e muitos já trocam o pijama pela roupa de ir trabalhar, comem à pressa ou saem de casa de pão na mão, fecham a porta à chave e penteiam-se pelo caminho, enquanto ligam o carro e jogam a mala para o banco de trás. Mas esta não é uma realidade para 8,9% das pessoas que vivem na Madeira.

Cláudia é professora na Região desde 2010 e sempre ficou colocada desde o primeiro dia de aulas exceto em 2014, quando a colocaram mais tarde. Nesse ano começou a trabalhar em outubro, o que significa que a possibilidade de vínculo ao fim de cinco anos, o tempo necessário para um professor ficar afeto à região autónoma, tinha acabado. Talvez mais para a frente…

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPS requer audição de Centeno sobre o tempo de serviço dos professores

Deputados do PS solicitaram audição urgente do ministro das Finanças sobre o impacto para as contas públicas da recuperação total do tempo de serviço dos professores.

PremiumProposta para regular ‘lobbying’ “pior do que regulação nenhuma”

Presidente da TIAC diz que o texto aprovado na Comissão para a Transparência é só um “mal menor”. Proposta foi modificada para incluir obrigatoriedade de divulgar clientes representados por “lobistas”.

PremiumMazars: “Vamos continuar a lutar pela auditoria conjunta”

Luís Gaspar, managing partner da Mazars Portugal, afirma que, até 2020, a firma quer estar presente em 100 países e somar 2,2 mil milhões de euros de volume de negócios.
Comentários