A comida não presta ou o ensino é fraco? Saiba como apresentar queixa de creches, escolas e universidades

Nas visitas a estes espaços, se detetar algo que não esteja em conformidade, denuncie às entidades competentes.

A escolha de uma creche ou jardim-de-infância é um dos momentos mais suscetíveis para os pais. Eles sabem que o filho irá ali passar grande parte do dia e, por isso, devem estar atentos a todos os pormenores. As áreas diferenciadas para cada atividade e idade são fundamentais. O custo, a segurança das instalações, a qualidade do serviço e a higiente dos espaços são outros pontos a ter em conta.

Na primeira visita esteja atento. Se observar algo que não esteja em conformidade, denuncie às entidades competentes. A gestão, conservação e reparação dos equipamentos faz parte das competências das autarquias. Cabe ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, através do Instituto da Segurança Social, avaliar e fiscalizar todas as creches, independentemente de serem Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) ou entidades privadas. A Inspeção-Geral da Educação e Ciência tutela a parte pedagógica e o funcionamento dos jardins-de-infância.

As escolas públicas e privadas são constantemente alvos de críticas. A fraca qualidade do ensino, falhas na segurança e falta de material estão entre as queixas mais comuns. Os valores cobrados no “prolongamento” dos horários ou a mensalidade de agosto, quando a escola está encerrada, também fazem parte do rol de críticas. Neste casos, os estabelecimentos de ensino são obrigados a disponibilizar o Livro de Reclamações sempre que solicitado.

Já as Universidades passam por situações diferentes. A origem das reclamações pode envolver a humilhação ou violência numa praxe, a possibilidade de realizar um segundo exame ou pedir recurso de uma nota. No geral, estas instituições dispõem de um gabinete próprio para tratar reclamações. Caso o conflito persista, pode recorrer ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, entidade que tutela os estabelecimentos do ensino superior públicos e privados.

Os locais certos para reclamar

Escolas
Inspeção-geral da Educação e Ciência: organismo que controla a educação pré-escolar e dos ensinos básicos e secundário. Compete-lhe acompanhar, controlar, avaliar e auditar os estabelecimentos de educação e ensino da rede pública, privada e cooperativa. No âmbito das suas funções, procede à análise e tratamento de queixas dos utentes e agentes do sistema educativo, podendo evoluir para um procedimento disciplinar, sob a forma de inquérito ou de processo disciplinar. Pode apresentar a sua queixa a este organismo por carta, fax, correio eletrónico ou formulário de e-atendimento disponível no site.
Site: www.ige.min-edu.pt.

Creches
Instituto da Segurança Social: nas suas atribuições, destaque para a fiscalização das creches. Assim, compete aos serviços da Segurança Social, sem prejuízo de ação inspetiva dos organismos competentes, desenvolver ações de fiscalização aos estabelecimentos, podendo para tal solicitar a colaboração de peritos de outras entidades em matérias de salubridade e segurança, acondicionamento de géneros alimentícios e condições higiénicas e sanitárias.
Site: www.seg-social.pt.

Secretaria-Geral de Educação e Ciência
Pertence ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. É a esta Secretaria-Geral que deve apresentar queixas relacionadas com o ensino superior.
Site: www.sec-geral.mec.pt.

Ler mais
Recomendadas

IRS: famílias abatem em média 802 euros com deduções

Em 2017, aumentou perto de 6% os benefícios fiscais que permitem aos contribuintes, que declarem as despesas, ter um desconto no IRS. As famílias conseguiram abater ao imposto perto de 200 milhões. Estatísticas da AT revelam que deduções à coleta estão a crescer menos face a anos anteriores. Contribuintes abatem em média 802 euros ao IRS.

Última chamada: Acabam hoje as candidaturas para apoios ao arrendamento jovem

O apoio ao arrendamento jovem é concedido por 12 meses, mas agora pode ser renovado até cinco anos, em vez dos anteriores três anos.

Número de desempregados inscritos no IEFP cai 14,6% em abril

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego foi em abril de 321.240, uma descida homóloga de 14,6% e um recuo de 3,8% face a março, divulgou esta terça-feira o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).
Comentários