A dívida pública nacional acaba de bater novo recorde em Maio e ninguém diz nada?

Trocando por uma linguagem simples, o que o relatório do Banco de Portugal vem dizer sobre Portugal, é o equivalente hipotético de um cidadão normal, que tem dívida de crédito habitação e carro, ver o seu salário aumentar temporariamente e em vez de pagar ou reduzir as dívidas que tem, esta pessoa dedica-se a gastar o seu novo salário e ainda contrai novas dívidas.

Vivem-se “bons ventos” económicos em Portugal, a economia mundial e europeia estão em bom estado, Portugal é um país que neste momento “está na moda” e a ser inundado de turistas que vêm gastar os euros para os quais tanto trabalharam no nosso país, a confiança dos cidadãos mantém-se, o que faz aumentar o consumo interno, e consequentemente a criação de emprego e a geração de impostos. Ou seja, sem grande esforço consciente, as contas do Estado Português estão a ser fortemente beneficiadas pela receita fiscal oriunda especialmente do turismo e do consumo interno.

Mas não obstante, acabei de ler que no dia 1 de Julho o Banco de Portugal emitiu a “Nota de Informação Estatística – Dívida Pública – Maio de 2019”, através da qual informou que a dívida pública portuguesa, na óptica de Maastricht (a que conta para a União Europeia), atingiu 252,5 mil milhões de euros, mais 180 milhões de euros face a Abril, sendo este o valor mais alto em termos nominais pelo menos desde 2007, segundo os dados disponibilizados pelo Banco de Portugal. Em termos comparativos, a dívida pública aumentou 1.972 milhões de euros em comparação a Maio de 2018 (!!! – para termos a noção, em termos comparativos, este aumento de dívida em apenas um ano do Estado Português corresponde a cerca de metade da dívida total da Região Autónoma da Madeira), e nem a comunicação social, nem os opinion makers, nem partidos políticos disseram absolutamente nada.

Trocando por uma linguagem simples, o que o relatório do Banco de Portugal vem dizer sobre Portugal, é o equivalente hipotético de um cidadão normal, que tem dívida de crédito habitação e carro, ver o seu salário aumentar temporariamente e em vez de pagar ou reduzir as dívidas que tem, esta pessoa dedica-se a gastar o seu novo salário e ainda contrai novas dívidas. Escusado será dizer que, caso os rendimentos diminuam por qualquer motivo (como a ocorrência de uma crise), rapidamente deixará de poder pagar as suas dívidas (novas e antigas) e entrará numa situação de insolvência. O que o Banco de Portugal nos veio dizer, com uma linguagem mais complexa e técnica, é que Portugal está exactamente na mesma situação…

Fico preocupado porque constato que, basicamente, Portugal é um país que é governado como se não houvesse amanhã, com o endividamento a subir quando deveria estar a descer (pelo contrário, na Madeira a dívida total da região desceu € 1,4 mil milhões desde final de 2012 e reduziu € 86 milhões de euros só no último ano), que se encontra completamente alicerçado nos factores positivos do imediato como o consumo interno alto das famílias e o boost do turismo, mas sem se preocupar com os desafios que possam estar no futuro, e que quando inevitavelmente se encontrar em contraciclo económico, poderá deixar de conseguir fazer face aos compromissos assumidos e nos vermos, novamente, à mercê da troika e dos severos programas de reajustamento económico que custaram, e muito, a todos os portugueses, mas que, pelos vistos, os nossos governantes nacionais já não se lembram.

Tenho uma filha pequenina a quem conto a história da formiga e da cigarra de La Fontaine, procurando dar ênfase ao papel da formiga que passou o Verão a armazenar comida para o Inverno e não a cigarra que saltitou e brincou o Verão todo e quase morreu de fome e frio. Muito embora esta seja uma história de crianças, ao olhar para o relatório do Banco de Portugal, nunca me pareceu tão actual e tenho uma vontade enorme de a contar aos homens e mulheres que estão ao leme do nosso país, exactamente da mesma forma como conto à minha filha.

 

Recomendadas

Governação Mundial… Está tudo louco?

Estas tomadas de posição impulsivas e por vezes radicais na governação de um dos maiores países do Mundo, ao que parece, tem provocado um efeito de contágio, tendo começado nos Estados Unidos, mas já sendo possível identificar perfis e comportamentos semelhantes em países com o Brasil ou Reino Unido.

Governança e Regulação no contexto de pós-fragilidade económica

Apostar na integridade do sistema é um dos grandes desafios da atualidade, na medida em que se entrelaça o público com o privado, através de modelos económicos de desenvolvimento assentes nas múltiplas possibilidades de cooperação da tripla hélice – governo, empresas e academia, por forma a restituir a confiança ao mercado.

Vamos falar de desenvolvimento

Também existem valores regionais para o IDH: a Região Autónoma da Madeira (RAM) tem 0,800, o 2.º valor mais baixo das 7 regiões portuguesas, apenas atrás dos Açores. Comparando com  países, a RAM estaria em 58.º lugar a nível mundial, empatado com Barbados e Cazaquistão, e em último a nível da União Europeia!
Comentários