“A emissão de dívida europeia é rampa de lançamento para a recuperação económica”, defende João Leão

A União Europeia fez hoje uma emissão de Obrigações NGEU (Next Generation EU) com data de vencimento em julho 2031. A emissão de 20 mil milhões de euros foi colocada com um spread das taxas mid swap a 10 anos subtraída de 2 pontos base. O objetivo da Comissão Europeia para este ano é de financiar-se em 80 mil milhões.

O ministro das Finanças reagiu à emissão de 20 mil milhões a 10 anos feita pela União Europeia conhecida esta terça-feira. “A emissão de dívida europeia é rampa de lançamento para a recuperação económica”, defende João Leão.

“A União Europeia registou hoje um momento inédito com a primeira emissão conjunta de dívida para financiar o programa NextGenerationEU, o mecanismo extraordinário de emissão de dívida europeia que colocará à disposição dos Estados-membros 800 mil milhões de euros para financiar os Planos de Recuperação e Resiliência dos países”, refere o Ministério das Finanças, que adianta que esta “é uma peça central na resposta europeia à crise provocada pela Covid-19 e a rampa de lançamento para a recuperação económica dos Estados-Membros”.

A União Europeia fez hoje uma emissão de obrigações NGEU (Next Generation EU) com data de vencimento em julho 2031. A emissão de 20 mil milhões de euros foi colocada com um spread das taxas mid swap a 10 anos subtraída de 2 pontos base.

A colocação foi um sucesso com a procura a superar os 142 mil milhões de euros.

Foram colocados 20 mil milhões de euros nesta primeira emissão, a uma taxa de 0,086%. “A procura superou 142 mil milhões de euros e foi sete vezes superior à oferta. Este forte apetite dos investidores pelas novas obrigações contribuiu para reduzir a primeira indicação de preço em 3 pontos base”, considera João Leão.

“O resultado desta emissão é indicativo do sucesso do programa de emissões que agora se iniciou e da confiança dos mercados no NextGenerationEU”, adianta o governante português.

“O arranque do NextGenerationEU reafirma o forte compromisso da União Europeia para uma recuperação sustentável, verde e digital. O dia de hoje é um marco para a nossa história europeia, pela solução sem precedentes de resposta comum à crise”, invoca João Leão.

“A emissão de hoje dá-nos a garantia de que o dinheiro vai começar a chegar às economias muito em breve, o que juntamente com a aprovação dos primeiros Planos de Recuperação já no decorrer desta semana, permitirá aos Estados-Membros começar a implementar os investimentos e reformas necessárias para a recuperação económica”, exalta o ministro.

“Após a ratificação da Decisão de Recursos Próprios por todos os Estados-Membros em tempo recorde, estamos muito satisfeitos por termos conseguido dar mais este passo durante a Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia”, conclui o ministro de Estado e das Finanças e presidente do Ecofin.

A primeira emissão de dívida ao abrigo do ‘Next Generation EU – que é um pacote de recuperação para apoiar os Estados-membros atingidos pela pandemia e será dotado de um montante total de 750 mil milhões de euros – foi ainda comentada pelo analista do Banco Carregosa. Filipe Silva referiu que a “forte procura é justificada pelo interessante prémio que a emissão teve versus outras com risco semelhante”.

“O objetivo da Comissão Europeia para este ano é de financiar-se em 80 mil milhões, a distribuição desta liquidez deverá começar a ocorrer a partir de agosto e é mais um importante passo para a recuperação da economia europeia”, diz Filipe Silva.

Relacionadas

União Europeia emite 20 mil milhões para carregar a ‘bazuca’

A primeira emissão, via venda sindicada, para financiar a parte do programa de recuperação NextGenerationEU recolheu forte procura, de 172 mil milhões de euros. “É mais um importante passo para a recuperação da economia europeia”, disse Filipe Silva, diretor de investimentos do Banco Carregosa.
Recomendadas

Falta de legislação impede criação de fundo sísmico com oito mil milhões, diz APS

A Associação Portuguesa de Seguradores diz que é o sector segurador e ressegurador e não o Estado quem assume diretamente responsabilidades inicialmente até oito mil milhões de euros, mas que o fundo não poderá funcionar sem o necessário enquadramento legal.

“Recuperação económica tem de ser feita com os olhos postos no futuro”, diz António Costa

O líder do PS e primeiro-ministro, António Costa, salientou hoje que a recuperação económica do país “tem que ser feita com os olhos postos no futuro”, considerando essencial assegurar condições às novas gerações para se autonomizarem.

PremiumPensionistas vão receber metade do salário em 20 anos

Bruxelas estima que capacidade das pensões de substituição dos rendimentos do trabalho cai em Portugal de 74% em 2019 para 54,5% em 2040.
Comentários