A hora do poder local

A dinâmica económica local é essencial para a retoma das atividades económicas e relançamento do investimento, bem como para a transição de Portugal para um modelo de desenvolvimento mais digital, sustentável e competitivo.

A Informa D&B concluiu, com base na análise de um painel de controlo da crise, que 26% das empresas portuguesas (uma em cada quatro) não têm capacidade financeira para resistir à atual contração económica. Os números agravam-se, como é natural, em função da dimensão, estimando-se que uma em cada três microempresas (34,2%) não disponha de recursos financeiros para suportar a crise. E com o fim dos apoios à atividade económica (linhas de crédito, moratórias, regime excecional de arrendamento, etc.), a situação pode ainda tornar-se mais dramática.

As economias locais dependem fortemente da criação de valor e emprego pelos pequenos negócios, serviços de proximidade, microempresas e startups que compõem, maioritariamente, os seus ecossistemas empresariais. Por isso, a atual crise pode vir a gerar impactos muito significativos no tecido económico e social dos municípios portugueses. Se as insolvências dispararem, um conjunto de problemas socioeconómicos se perfila no horizonte dos municípios, desde o desemprego e endividamento das famílias ao despovoamento dos centros urbanos.

De resto, os municípios têm um papel fundamental na competitividade económica do país e a sua afirmação, à escala nacional mas também global, depende muito do dinamismo do respetivo tecido empresarial. Neste pressuposto, os municípios necessitam de atrair investimento, favorecer a iniciativa privada, reter e captar talento e produzir conhecimento, inovação e tecnologia. Caso contrário, perdem inevitavelmente massa crítica, notoriedade e atratividade, para além de prejudicarem a qualidade de vida das suas populações.

Tudo isto para dizer que os municípios portugueses têm importantes responsabilidades quer na recuperação económica do país, quer na sua transformação estrutural no pós-pandemia. A dinâmica económica local é essencial para a retoma das atividades económicas e relançamento do investimento, bem como para a transição de Portugal para um modelo de desenvolvimento mais digital, sustentável e competitivo. Ora, isto exige dos municípios, não só apoios e incentivos que permitam às empresas sair da crise, como a criação de condições (fiscais, infraestruturais, tecnológicas, formativas, etc.) que capacitem os seus ecossistemas empresariais.

Neste sentido, é importante que as eleições autárquicas que se avizinham sirvam para debater estratégias de desenvolvimento local, tendo como pano de fundo a crise pandémica e as transformações que o país necessita. Os candidatos autárquicos devem ter consciência da importância dos municípios e regiões na boa aplicação da nova geração de fundos europeus, dos quais muito dependem a resiliência e modernização do nosso tecido empresarial.

Questões como a transição digital e climática, a reindustrialização, os consórcios empresas/academia, a inovação ou a formação e valorização profissional vão passar, em boa medida, pela articulação entre o poder local e os seus ecossistemas empresariais.

Portugal tem hoje uma nova geração de autarcas com sentido de missão, visão estratégica e sensibilidade para as grandes tendências socioeconómicas (inovação, sustentabilidade, empreendedorismo, inclusão social, coesão territorial, etc.). Era bom que essa geração saísse reforçada nas próximas eleições autárquicas, para que as empresas e as associações empresariais encontrem cada vez mais nos municípios os seus parceiros de referência.

Recomendadas

Aula de formatação das consciências

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento suscita divisão entre aqueles que aprovam um guião escolar das consciências e aqueles que reconhecem o carácter discutível e ideológico de alguns dos seus conteúdos.

O PRR e as Autarquias

A Habitação é uma das alavancas da recuperação económica do país pelos múltiplos impactos que tem em diversos sectores da Economia. Como tal, funciona de barómetro da “saúde económica” do país.

Construir negócios na ‘Década da Ação’ ambiental

A generalidade das empresas está em condições de desenvolver estratégias de sustentabilidade mais intensas, para as quais deverão preparar-se verdadeiramente através de novas abordagens e critérios.
Comentários