A inflação pós Covid-19

As previsões sobre a evolução futura da inflação estão a dividir os economistas.

Muitos analistas preveem que a inflação irá acelerar nos próximos anos. Na sua opinião, a alta de preços irá concentrar-se, no curto prazo, em bens e serviços que se tenham tornado mais escassos devido à pandemia e confinamento. Depois, será a resposta dos bancos centrais e dos governos à crise a justificar a subida da inflação. A implementação de estímulos monetários causará a subida de preços na generalidade dos mercados, ativos, bens e serviços.

A atuação dos governos pela via da política fiscal terá o mesmo efeito e, por obrigar à emissão de dívida, os emitentes teriam a ganhar com um cenário inflacionista. Por outro lado, refere-se como provável a existência de fenómenos de reorganização económica e política. Prevê-se um passo atrás na globalização e a criação de cadeias logísticas alternativas, menos otimizadas, resultando também em menos possibilidades de arbitragem a nível regulatório, fiscal, ambiental e do fator trabalho.

É difícil aceitar estas previsões de subida da inflação nos próximos anos. Desde logo porque também as crises de 2008 e da “dívida da zona euro” tiveram respostas monetárias e não provocaram inflação. Isto para não falar do caso japonês, que há décadas pratica políticas não convencionais, sem impacto nos preços. Esta é uma crise de procura, com desemprego e muitas empresas e famílias em dificuldades. Os preços da energia caíram a pique e a situação de excesso de capacidade instalada deverá perdurar durante anos.

Finalmente, os Estados não têm capacidade infinita de endividamento e à atual resposta musculada deverá seguir-se um período de contenção de despesa e aumento da carga fiscal, deprimindo ainda mais a procura agregada.

Recomendadas

Portugal em 7º lugar no indicador global de literacia financeira, segundo a OCDE

Portugal, através do Ministério da Educação, participou pela primeira vez, em 2018, no exercício de avaliação de literacia financeira do Programme for International Student Assessment (PISA), cujos resultados foram divulgados no passado dia 7 de maio.

PSI-20 fecha em alta com subida de 6% da Mota Engil. Europa com ganhos acima de 2%

A bolsa portuguesa subiu abaixo dos seus pares europeus. No PSI-20 a Mota-Engil destaca-se pela subida de mais de 6%. Na Europa, a Lufthansa e a Bayer brilharam com subidas de mais de 7%. A Alemanha o destaque vai para a economia que foi arrastada pela queda no consumo privado do 1.º trimestre de 2020.

Guerra comercial não assusta os touros de Wall Street

Enquanto as palavras vão e vêm, o certo é que Wall Street valorizou mais de 3% nos últimos cinco dias.
Comentários