“A partir de 2017 voltamos a crescer acima da média europeia”, afirma António Costa

O primeiro-ministro salienta que “todas as instituições internacionais prevêem que em 2020 e 2021″ Portugal continue a crescer acima da média europeia”.

António Costa afirma que Portugal “a partir de 2017 voltou a crescer acima da média europeia”. Em entrevista à “TVI”, o primeiro-ministro português salienta esta mudança já que “desde 2000 até 2017”, o país esteve “sempre a crescer abaixo da média europeia”.

António Costa destaca que “em 2019 estamos a crescer e todas as instituições internacionais prevêem que em 2020 e 2021 continuemos a crescer acima da média europeia”. O primeiro-ministro realça que Portugal se está a aproximar “daqueles que têm um nível de vida superior ao nosso”.

O primeiro-ministro salienta que as exportações hoje “significam 44% da nossa economia, há 10 anos significavam 28%”, e que “o grande esforço de investimento ao longo desta legislatura foi em investimento privado na modernização das empresas. Temos neste momento em pipeline cerca de dois mil milhões de euros de investimento empresarial, o que significa mais modernização.

Relacionadas

António Costa assume “perspetivas de trabalho de longo prazo” com Mário Centeno

Em entrevista à “TVI” o primeiro-ministro diz que só falará com o ministro das Finanças e a sua continuidade, “se os portugueses me derem confiança para formar Governo”.
Recomendadas

Eleições Autárquicas. PS admite perder entre dez a 15 câmaras

Socialistas admitem cenário nas eleições do próximo domingo, onde contam ficar com um total de 155 câmaras, mostrando-se confiantes de que podem conquistar duas autarquias lideradas historicamente pelo Partido Social Democrata: Portalegre e Viseu.
medina_candidatura_1

Sondagem. Medina com nove pontos de vantagem sobre Moedas

Sondagem feita para a “RTP/Público”, aponta que Medina poderá reeleger entre sete a oito vereadores, a um lugar da maioria absoluta. Já Carlos Moedas poderá eleger entre cinco a seis vereadores.

Conselho de Ministros prepara-se para devolver ‘antigo normal’ aos portugueses esta quinta-feira (com áudio)

A próxima e última fase de desconfinamento prevê que restaurantes, cafés e pastelarias deixem de ter limite máximo de pessoas por grupo, quer no interior quer em esplanadas; estabelecimentos e equipamentos deixam também de ter limites de lotação, tal como os espetáculos culturais e eventos como casamentos e batizados. Mas regras só deverão entrar em vigor a 1 de outubro.
Comentários