A promessa não cumprida da ligação anual ferry

Com a entrada em campo do vice-presidente Pedro Calado, rapidamente uma operação anual prometida, passou a sazonal. Passados 4 meses, e acabado de chegar ao Governo, Pedro Calado contradiz e “cala” claramente Miguel Albuquerque, afirmando que não se justifica ter um ferry a operar durante todo o ano

A súmula deste pequeno texto, ou a alternativa de um outro eventual título, poderia ser “a verdade da mentira”. Ou seja, aquilo que foi uma expetativa criada e uma assunção da palavra dada (com factos indesmentíveis), com o tempo passou a ser reduzida, e circunscrita, a uma operação de três meses.

A promessa do estabelecimento da ligação anual da linha ferry entre a Madeira e o Continente português constou do manifesto eleitoral do PSD, do Programa de Governo e no texto da consulta internacional realizada em 2016 aos armadores, onde se defendiam uma ligação regular, durante todo o ano, e sem interrupções.

Vamos às fontes, que comprovam essa promessa.

O relatório da Consulta internacional para a ligação marítima, de janeiro de 2016 (documento produzido pela APRAM) refere-se ao “restabelecimento de uma linha regular” (p.6), e a “operar diretamente entre a Madeira (porto do Funchal ou Caniçal) e um dos portos do continente português (Portimão, Setúbal ou Lisboa), com frequência regular (…).

A 3 de agosto de 2017, em declarações à RTP-M, o presidente do Governo, Miguel Albuquerque, defendia a ligação por ferry durante todo o ano, referindo que o Governo se encontrava “a analisar as propostas, e vamos ter esta operação todo o ano para a Madeira”.

Com a entrada em campo do vice-presidente Pedro Calado, rapidamente uma operação anual prometida, passou a sazonal. Passados 4 meses, e acabado de chegar ao Governo, Pedro Calado contradiz e “cala” claramente Miguel Albuquerque, afirmando que não se justifica ter um ferry a operar durante todo o ano:

“Ou seja, não se justifica ter um ferry a operar durante o ano inteiro, quando não há procura para essa operação. Situação que fazia com que, pelo preço que foi determinado, os operadores tivessem muita dificuldade em encontrar uma solução que financeiramente justificasse a operação. Agora, adaptando pelo mesmo custo, pelas mesmas características, a uma situação sazonal, em que há efetivamente procura”. (Telejornal da RTP-M / 19 de dezembro de 2017).

Recomendadas

Onde estão os bancos quando precisamos?

O presidente-executivo da TAP esteve na Madeira para prestar esclarecimentos na Assembleia Regional, mas a visita de Antonoaldo Neves não serviu de muito, no que toca a apaziguar os ânimos nas relações entre a Região e a companhia aérea que, por decisão do atual Governo da República, continua a pertencer, em parte, a todos os portugueses.

Os desafios da economia portuguesa e as reivindicações dos sindicatos

O mérito da recuperação de Portugal é, essencialmente, do povo português. Com efeito, uma vez mais na história, o povo manteve-se sereno perante a grave crise económica e financeira que assolou o país, sem evidenciar qualquer tipo de contestação social. Inclusive, não enjeitou emigrar e procurar noutros países, aquilo que Portugal, a espaços, não conseguiu dar.

Sobre os custos de transporte e da estrutura portuária na RAM

É facto que este assunto tem de ser devidamente ponderado e reivindicado junto à União Europeia (UE), nomeadamente na prorrogação da legislação e numa nova abordagem na regulamentação, nomeadamente no que às regiões ultraperiféricas (RUP) diz respeito.
Comentários