A propósito dos problemas: uma introdução esperançosa

A arte de estruturar e resolver problemas é um dos caminhos para apresentarmos ideias e soluções simples, por contraponto ao estado vigente de simplismo crónico.

Porventura, numa tentativa de me preparar para o mundo, fui educado com recurso a um plano maléfico: ao contrário das pessoas que têm uma solução para cada problema, a minha mãe apresentava consistentemente um problema para cada solução.

Talvez em virtude desta condição, que pouco interessa ao leitor, tenha crescido com um conforto razoável face àquilo que considero ser uma verdade: o mundo, e a vida de quem nele habita, é caracterizada por uma omnipresença de problemas das mais variadas naturezas.

A palavra problema tem uma conotação negativa, o que me inquieta, porque a história demonstra que foi a resolvê-los que se fez a evolução da humanidade.

Os problemas têm má fama e não a deviam ter, até porque, em tese, resolvê-los está num lugar intelectual onde o humano ainda consegue competir com a máquina.
Vejamos: a era digital, que é caracterizada pela democratização do acesso e a utilização exponencial de tecnologia, aparenta pôr em causa os fundamentos de algumas tarefas e atividades às quais damos o nome “trabalho”.

Defendo que, se não nos deixarmos levar pelo facilitismo das soluções binárias, a tecnologia pode contribuir para processos intelectualmente mais robustos de resolução de problemas e tirar-nos o volume de trabalho que nos impede de refletir.
Aquilo que nos consome mais tempo em processos de resolução de problemas é, tipicamente, a atividade mais passível de ser realizada com recurso a máquinas: o processamento de informação e dados.

Pelo contrário, atividades como a comunicação, coordenação e interação com outros, bem como a argumentação e tomada de decisão, parecem ser menos permeáveis à robotização.

Esta conclusão fica mais evidente quando, no topo das competências mais relevantes para os empregadores até 2025, o pensamento analítico, a inovação, a aprendizagem ativa, a resolução de problemas complexos, o pensamento crítico e a criatividade se destacam.

Há uma esperança, ainda que curta, que a digitalização e a robotização nos tragam as ferramentas para cooperarmos num espaço de construção argumentativa que nos ajude a consolidar opiniões próprias, quer na resolução dos nossos desafios empresariais, quer nos nossos desafios enquanto sociedade.

Num mundo cada vez mais complexo, onde a agenda mediática é dominada por discussões binárias, muitas das quais, com a dimensão intelectual de uma caixa de sapatos, a arte de estruturar e resolver problemas é um dos caminhos para apresentarmos ideias e soluções simples, por contraponto ao estado vigente de simplismo crónico.

Recomendadas

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumEDP Renováveis vai construir centrais eólicas marítimas na Grécia

EDPR forjou parceria com companhia helénica para instalar 1,5 gigawatts nos mares gregos. Esta é a segunda parceria fechada em cinco meses na Grécia.
Comentários