Premium“A TAP é um desastre”

Além de criticar a falta de intervenção do accionista Estado para proibir a companhia aérea de praticar os preços ‘absurdos’ de bilhetes para a Madeira, Albuquerque insurge-se contra os opositores ao CINM.

Cristina Bernardo

Miguel Albuquerque não tem meias palavras sobre o comportamento da Região Autónoma da Madeira, criticando a atuação da companhia aérea nacional de fio a pavio, considerando-a um ‘desastre completo’ e ‘uma vergonha’ , exigindo uma intervenção do Estado enquanto acionista da empresa, que, no seu entender, não correu ainda porque “está-se nas tintas para a Madeira”. Por seu turno, o Centro Internacional de Negócios está a crescer, mas Albuquerque critica as ações daqueles que gostam de dar tiros nos pés, como a eurodeputada Ana Gomes.

Qual é o seu entender sobre a TAP?
A TAP é um desastre. A TAP é um desastre completo. O que o atual primeiro-ministro disse é que quer ter uma bandeira nacional para servir as regiões autónomas e para servir a diáspora.

E é isso que não está a ser cumprido, no seu entender?
Eu acho que o que se passa é uma vergonha. Estão a praticar preços dentro de território nacional perfeitamente absurdos para fazer 940 quilómetros, com passagens a 600 e a 700 euros. Isto é uma vergonha, e de facto é a violação do princípio da mobilidade dentro de território nacional. Eu nem sequer estou a falar da Madeira, mas estou a falar de um cidadão que vem do Porto ou vem de Lisboa para cá, em que é mais barato ir a Roma ou a Amesterdão, do que circular dentro de território nacional. Isto é a tal política da coesão económica e territorial e o princípio da continuidade territorial. E, neste momento, os preços estão em rédea livre, quem manda na administração está-se a nortear por princípios puramente comerciais e o princípio da continuidade territorial não é assegurado.

Ou seja, o Estado não manda nada?
O Estado manda para meter lá dinheiro, aliás, a antiga administração ‘limpou’ 500 milhões aos contribuintes do Brasil, e agora estes estão lá para ganhar dinheiro.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição de 07 de junho do Económico Madeira.

Recomendadas

PremiumNovo Banco vende terrenos da Matinha por 140 milhões

Terrenos não estavam incluídos em nenhuma carteira de malparado do Novo Banco.

PremiumCiclo de crescimento mundial entra na última fase

BlackRock aconselha investidores a continuarem ‘overweight’ nos próximos 18 meses. Em 2021, a economia mundial deverá entrar em recessão.

PremiumLuísa Augusto: “Os ciberataques estão a mudar diariamente”

A ‘associate director’ da Accenture Technology explica como a tendência tecnológica “Secure Us to Secure Me” é uma das que as organizações devem considerar para serem bem-sucedidas.
Comentários